Internacionalização e Sustentabilidade Empresarial no Brasil

Ítalo Carlos Soares do Nascimento, Andressa Ruth Sousa Santos, Adriano Fleck de Paula Pessoa, Daniel Barboza Guimarães, Sílvia Maria Dias Pedro Rebouças

Resumo


Objetivo: Investigar a relação entre a internacionalização e a sustentabilidade empresarial em companhias listadas na Brasil, Bolsa, Balcão (B3 S.A.).

Método: A amostra reúne 95 das 100 empresas listadas na B3 S.A. com maior valor de mercado, de acordo com dados extraídos do Economática®. Os dados referem-se ao exercício social de 2017, sendo coletados em novembro de 2018, utilizando-se o teste de diferenças entre médias e a regressão logística para a análise quantitativa.

Principais resultados: O resultado do teste de diferenças entre médias revelou que apenas as empresas internacionalizadas por meio da presença física em outros países apresentaram diferenças estatisticamente significantes no tocante à sustentabilidade empresarial, o que também foi ratificado com a aplicação da regressão logística, constatando-se que a internacionalização através do capital social e das receitas não demonstrou relação com a sustentabilidade empresarial. Dessa forma, rejeita-se a hipótese de pesquisa de que há uma relação positiva entre a internacionalização e a sustentabilidade empresarial no Brasil.

Relevância/originalidade: A sinergia entre os dois constructos – Internacionalização e Sustentabilidade Empresarial –, evidenciada em pesquisas estrangeiras, tem demonstrado a relevância desse debate. No âmbito nacional, por sua vez, não foram encontradas evidências empíricas que tratassem da relação entre as variáveis estudadas.

Contribuições teóricas/metodológicas: O estudo da internacionalização e da sustentabilidade empresarial proporciona reflexões sobre a busca pelo valor a longo prazo, permitindo assim visualizar a Teoria dos Stakeholders, a qual sustenta que as empresas, para garantir valor a longo prazo, necessitam conciliar os interesses dos diversos stakeholders envolvidos.


Palavras-chave


Internacionalização; Sustentabilidade Empresarial; Teoria dos Stakeholders

Texto completo:

PDF

Referências


Albuquerque Filho, A., Freire, M., De Luca, M., & Vasconcelos, A. (2020). Influência da internacionalização e da inovação na competitividade empresarial. Internext, 15(1), 01-18. DOI: http://dx.doi.org/10.18568/internext.v15i1.521

Attig, N., Boubakri, N., El Ghoul, S., & Guedhami, O. (2016). Firm internationalization and corporate social responsibility. Journal of Business Ethics, 134(2), 171-197. DOI: https://doi.org/10.1007/s10551-014-2410-6

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baron, D. P. (2009). A positive theory of moral management, social pressure, and corporate social performance. Journal of Economics & Management Strategy, 18(1), 7-43.

Benites, L. L. L., & Polo, E. F. (2013). A sustentabilidade como ferramenta estratégica empresarial: Governança Corporativa e aplicação do Triple Bottom Line na Masisa. Revista de Administração UFSM, 6(1), 195-210. DOI: http://dx.doi.org/10.5902/198346598879

Besley, T., & Ghatak, M. (2007). Retailing public goods: The economics of corporate social responsibility. Journal of public Economics, 91(9), 1645-1663.

Bouças, A. S., & Gomes, J. S. (2010). Controle gerencial em empresas brasileiras internacionalizadas: o caso de uma empresa de material elétrico. Revista Universo Contábil, 6(2), 6-26. DOI:10.4270/ruc.2010210

B3 S.A. – Brasil, Bolsa, Balcão. Índice de Carbono Eficiente (ICO2). Recuperado de: http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produtos/indices/indices-de-sustentabilidade/indice-carbono-eficiente-ico2.htm., em 20 nov. 2017.

Cardoso, V. I. C., De Luca, M. M. M., & Gallon, A. V. (2014). Reputação corporativa e o disclosure socioambiental de empresas brasileiras. Contabilidade, Gestão e Governança, 17(2), 26-44.

Carvalhal, A., & Tavares, E. (2013). Does social responsability enhance firm value and return in Brazil? Corporate Ownership & Control, 10(2), 253–258.

Carvalhal da Silva, A. L. & Chien, A. C. Y. (2013). Remuneração executiva, valor e desempenho das empresas brasileiras listadas. Revista Brasileira de Finanças, 11(4), 481-502.

Chakrabarty, S., & Wang, L. (2012). The long-term sustenance of sustainability practices in MNCs: A dynamic capabilities perspective of the role of R&D and internationalization. Journal of Business Ethics, 110(2), 205-217. DOI: 10.1007/s10551-012-1422-3

Clarkson, M. E. (1995). A stakeholder framework for analyzing and evaluating corporate social performance. Academy of management review, 20(1), 92-117.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. Tradução Lúcia Simonini. Porto Alegre: Bookman.

Cuervo-Cazurra, A. (2012). How the analysis of developing country multinational companies helps advance theory: solving the goldilocks debate. Global Strategy Journal, 2(3), 153-167.

Cuervo-Cazurra, A., Maloney, M., & Manrakhan, S. (2007). Causes of the difficulties in internationalization. Journal of International Business Studies, 38(5), 709-725. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8400295

Davies, G., Chun, R., Da Silva, R.V., & Roper, S. (2003). Corporate Reputation and Competitiveness. Corporate Communications: An International Journal, 8 (2), 48-149.

Denberg, M. W. S., & Gomes, J. S. (2011). Impactos ocasionados pela internacionalização em empresas brasileiras: um estudo de caso múltiplo. Contabilidade, Gestão e Governança, 14(3), 77-99. DOI: 10.4270/RUC.2013210

Dias Filho J. M. & Corrar, L. J. (2009). Regressão logística. In: Corrar, L. J., Paulo, E. & Dias Filho, J. M. (Org.). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Domenico, D. D., Mazzioni, S., Magro, C. B. D., Peruzzo, M., & Peruzzo, M. (2015). Análise dos indicadores ambientais das empresas listadas no Guia de Sustentabilidade da Revista Exame. Ciências Sociais Aplicadas em Revista, 15(28), 65-89.

Donaldson, T., & Preston, L. E. (1995). The stakeholder theory of the corporation: concepts, evidence and implications. Academy of Management Review, 20(1), 65-91. DOI: 10.2307/258887

Dyllick T., & Hockerts K. (2002). Beyond the business case for corporate sustainability. Business Strategy and the Environment, 11, 130-141. DOI: 10.1002/bse.323

Elkington, J. (2001). Canibais com garfo e faca. São Paulo: Makron Books.

Fisman, R., Iyengar, S. S., Kamenica, E., & Simonson, I. (2008). Racial preferences in dating. The Review of Economic Studies, 75(1), 117-132.

Floriani, D. E., & Fleury, M. T. (2012). O efeito do grau de internacionalização nas competências internacionais e no desempenho financeiro da PME brasileira. Revista de Administração Contemporânea – RAC, 16(3), 438-458. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552012000300007

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: A stakeholder approach. Boston: Pitman.

Freeman, R., & Mcvea, J. (2001). A stakeholder approach to strategic management. The Blackwell handbook of strategic management, 189-207.

Furlan, F. (2013). O sinal que vem das ruas. Guia Exame de Sustentabilidade 2013. São Paulo: Editora Abril.

Guimarães, T. M., Peixoto, F. M., & Carvalho, L. (2017), Sustentabilidade empresarial e governança corporativa: uma análise da relação do ISE da BM&FBovespa com a compensação dos gestores de empresas brasileiras. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 11(2), 134-149. DOI: https://doi.org/10.17524/repec.v11i2.1418

Guay, T., Doh, J. P., & Sinclair, G. (2004). Non-governmental organizations, shareholder activism, and socially responsible investments: Ethical, strategic, and governance implications. Journal of Business Ethics, 52(1), 125-139. DOI: 10.1023/B:BUSI.0000033112.11461.69

Hörisch, J., Burritt, R. L., Christ, K. L. & Schaltegger, S. (2017). Legal systems, internationalization and corporate sustainability. An empirical analysis of the influence of national and international authorities. Corporate Governance: The International Journal of Business in Society, 17(5), 861-875. DOI: https://doi.org/10.1108/CG-08-2016-0169

Irene, M. H., & Robin, E. R. (2002). Developing Awareness of the Sustainability Concept. The Journal of Environmental Education, 34(1), 16-20. DOI: https://doi.org/10.1080/00958960209603477

Jensen, M. (2001). Value Maximization, Stakeholder Theory, and the Corporate Objective Function. Journal of Applied Corporate Finance, 14(3), 8-21. DOI: https://doi.org/10.1111/j.1745-6622.2001.tb00434.x

Kacperczyk, A. (2009). With greater power comes greater responsibility? Takeover protection and corporate attention to stakeholders. Strategic Management Journal, 30, 261–285. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.733

Kang, J. (2013). The relationship between corporate diversification and corporate social performance. Strategic Management Journal, 34, 94–109. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.2005

Kassinis, G., & Vafeas, N. (2006). Stakeholder pressures and environmental performance. Academy of Management Journal, 49(1), 145-159.

Kim, Y., & Kim, S. Y. (2010). The influence of cultural values on perceptions of corporate social responsibility: Application of Hofstede’s dimensions to Korean public relations practitioners. Journal of Business Ethics, 91(4), 485-500. https://doi. 10.1007/s10551-009-0095-z

Knoepfel, I. (2001). Dow Jones Sustainability Group Index: a global benchmark for corporate sustainability, Corporate Environmental Strategy, 8(1), 6-15. DOI: 10.1016/S1066-7938(00)00089-0

Kolk, A. & Van Tulder, R. (2010). International business, corporate social responsibility and sustainable development. International Business Review, V.19, 2, 119 -125. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.ibusrev.2009.12.003

Lameira, V. J., Ness Jr., W, L., Quelhas, O, L, G., & Pereira, R, G. (2013). Sustainability, value, performance and risk in the Brazilian capital markets. Revista Brasileira de Gestão e Negócios, 15(46), 76-90. DOI: http://dx.doi.org/10.7819/rbgn.v15i46.1302

Lima, L. C., Domingos, S. R. M., Vasconcelos, A. C., & Rebouças, S. M. D. P. (2015). Reputação e qualidade da governança corporativa das companhias abertas brasileiras. Revista de Administração FACES Journal, 14(2), 8-43. DOI: http://dx.doi.org/10.21714/1984-6975FACES2015V14N2ART2034

Lopes, A. C., De Luca, M. M. M., Góis, A. D., & de Vasconcelos, A. C. (2017). Disclosure socioambiental, reputação corporativa e criação de valor nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Ambiente Contabil, 9(1), 364-382. DOI: 10.18405/recfin20170306

Machado, M. R., Machado, M. A. V., & Corrar, L. J. (2009). Desempenho do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da Bolsa de Valores de São Paulo. Revista Universo Contábil, 5(2), 24-38. DOI: http://dx.doi.org/10.4270/ruc.20095

Machado-da-Silva, C. L., & Fernandes, B. H. R. (1999). O impacto da internacionalização nos esquemas interpretativos dos dirigentes dos dirigentes do Banco Bamerindus. Revista de Administração de Empresas, 39(1), 14-24. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75901999000100003

Maia, A. B. G. R., Vasconcelos, A. C., & De Luca, M. M. M. (2013). Governança corporativa e internacio¬nalização do capital social das companhias brasileiras do setor de construção e transportes. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 8(2), 40-60.

Mapurunga, P. V. R., Ponte, V. M. R., & Oliveira, M. C. (2015). Determinantes das práticas de governança corporativa: um estudo nas empresas registradas na CVM, Advances in Scientific and Applied Accounting, 8(3), 374-395. DOI: http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2015080306

Martins, G. A., & Theóphilo, C. N. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.

McDonald, D., & Puxty A. G. (1979). An inducement-contribution approach to corporate financial reporting. Accounting, Organizations & Society, 4(1-2), 53-65. DOI: https://doi.org/10.1016/0361-3682(79)90007-2

Michelon, G., & Parbonetti, A. (2012). The effect of corporate governance on sustainability disclosure. Journal of management & governance, 16(3), 477-509.

Minussi, J. A., Damacena, C., & Ness Jr; W. L. (2002). Um modelo de previsão de solvência utilizando regressão logística. Revista de Administração Contemporânea, 6(3), 109-128. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552002000300007

McWilliams, A., & Siegel, D. (2001). Corporate social responsibility: A theory of the firm perspective. Academy of Management Review, 28, 117-127. DOI: https://doi.org/10.5465/amr.2001.4011987

Platchek, R. B., Floriani, D. E., & Borini, F. M. (2012). A influência do grau de internacionalização no desempenho das empresas têxteis. Revista Gestão Organizacional, 5(1), 70-81.

Ribeiro, I., Serra, F. A. R., & Bertolini, G. R. F. (2016). Influências da experiência internacional e da diversificação de negócios no grau de internacionalização das Multinacionais Brasileiras. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 11(3), 36-49. DOI: https://doi.org/10.18568/1980-4865.11336-48.

Ruigrok, W., & Wagner, H. (2003). Internationalization and performance: an organizational learning perspective. Management International Review, 43(1), 63-83.

Sampieri, R. H., Collado, C. F., & Lúcio, P. B. (2013). Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw Hill.

Santos, J. G. C., Vasconcelos, A. C., & De Luca, M. M. M. (2015). Internacionalização de empresas e governança corporativa: uma análise das maiores companhias abertas do Brasil. Advances in Scientific and Applied Accouting, 8(3), 300-319. DOI: 10.14392/ASAA.2015080302

Santos, P. S. A., Almeida, D. M., & Bezerra, F. A. (2013). Grau de disclosure voluntário e nível de governança corporativa no caso das companhias brasileiras de capital aberto: um estudo de relação. Revista de Administração e Contabilidade – ReAC, 5(1), 4-21. DOI: http://dx.doi.org/10.14392/asaa.2015080302

Scholtens, B., & Sievänen, R. (2013). Drivers of socially responsible investing: A case study of four Nordic countries. Journal of Business Ethics, 115, 605–616. DOI: 10.1007/s10551-012-1410-7

Sievänen, R., Rita, H., & Scholten, B. (2013). The drivers of responsible investment: The case of European pension funds. Journal of Business Ethics, 117, 137–151. DOI: 10.1007/s10551-012-1514-0

Silva, M. L., Coronel, D. A., Freitas, C. A., & Silva, R. A. (2015). O impacto da Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) para as economias norte-americana e europeia. Perspectiva Econômica, 11(2), 143-154. DOI: 10.4013/pe.2015.112.05

Smaniotto, E., Paiva, E. L., & Vieira, L. M. (2012). Estratégia de internacionalização através de upgrading funcional. Contextus: Revista Contemporânea de Economia e Gestão, 10(1), 15-29.

Soschinski, C. K., Brandt, E., & Klann, R. C. (2019). Internacionalização e práticas de responsabilidade social corporativa em empresas brasileiras. Advances in Scientific & Applied Accounting, 12(1), 47-64.

Souza, F. C., Murcia, F. D., & Marcon, R. (2011). Bonding hypothesis: análise da relação entre disclosure, governança corporativa e internacionalização de companhias abertas no Brasil. Con¬tabilidade, Gestão e Governança, 14(2), 62-81.

Sullivan, D. (1994). Measuring the degree of internationalization of a firm. Journal of International Business Studies, 34(2), 165-186.

Symeou, P. C., Zyglidopoulos, S., & Williamson, P. (2017) Internationalization as a driver of the corporate social performance of extractive industry firms. Journal of World Business, Volume 53, Issue 1, 27-38. DOI: doi:10.1016/j.jwb.2017.07.004

Vermeulen, F., & Barkema, H. (2002). Pace, rhythm, and scope: Process dependence in building a profitable multinational corporation. Strategic Management Journal, 23(7), 637-653. DOI: https://doi.org/10.1002/smj.243




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/internext.v15i3.591

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Internext

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: