Gestão internacional de recursos humanos: Adaptabilidade intercultural na expatriação de brasileiros

Patricia Asunción Loaiza Calderón, Ana Lucia Malheiros Guedes, Rúbia Walquiria de Carvalho

Resumo


Este artigo problematiza as experiências de brasileiros expatriados para desvendar os desafios e as oportunidades com os quais se deparam em outras culturas. Com base na literatura, destacamos a necessidade de humanizar o processo de internacionalização porque a expatriação é fenômeno multifacetado que requer abordagem multidisciplinar. Em termos empíricos, analisamos dados coletados por meio de entrevistas em profundidade com dezesseis expatriados. Os resultados indicam que o processo de expatriação é uma questão a ser tratada com mais atenção pela área de Gestão Internacional de Recursos Humanos. Destacamos os desafios da fragilidade da chamada adaptabilidade antecipada, das estratégias de retorno, do repatriamento e suas implicações para o plano de carreira, assim como, a necessidade de programas específicos de treinamento intercultural. Por outro lado, os relatos dos expatriados registram conotações positivas as oportunidades profissionais e pessoais das missões internacionais. Ao considerar estes resultados, a área de Gestão Internacional de Recursos Humanos poderia aproveitar a intensa experiência dos expatriados para reformular políticas e práticas e, consequentemente, usufruir do mindset global.

Palavras-chave


Expatriados; Adaptação intercultural; Gestão internacional de recursos humanos

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


AGUZZOLI, R.L. (2008). Gestão de pessoas internacional: como multinacionais brasileiras internacionalizam seus recursos humanos? In Gestão de pessoas: categoria acadêmica. Rio de Janeiro: Qualitymark.

ALENCAR-RODRIGUES, R., STREY, M. & PEREIRA, J. (2007). Experiência Migratória: encontro consigo mesmo? Percepções de brasileiros sobre sua cultura e mudanças pessoais. Aletheia, 26, 168-180. Recuperado em 20 de julho de 2016, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-03942007000200014&lng=pt&tlng=pt

BARDIN, L. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

BIANCHI, E. M. P. G. (2011, setembro). Gestão e Carreira Internacional. Repatriação – construindo elos entre ciclos. Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, Brasil, 35.

BLACK, J. S., MENDENHALL, M. & ODDOU, G. (1991). Toward a comprehensive model of international adjustment: an integration of multiple theoretical perspectives. Academy of Management Review, 16(2), 291-317.

CALDAS, M. P., TONELLI, M. J. & LACOMBE, B. M. B. (2009, setembro). Políticas em Recursos Humanos Internacionais: faz sentido o debate entre abordagens críticas versus abordagens funcionalistas ao sul do equador?. Encontro da ANPAD, São Paulo, Brasil, 33.

CASANOVA, L. Las multinacionales latinoamericanas en los albores de una gran oportunidad. (2010). Revista de Administração de Empresas-RAE, 50(4), 439-445.

CAZURRA, A. C. (2010). Multilatinas. Universia Business Review, 25,14-33. Recuperado em 14 de setembro de 2015, de https://ubr.universia.net/article/view/726/multilatinas.

CHANLAT, J. F. (2012). Por uma antropologia da condição humana nas organizações In Chanlat, J.F. (Coord.), O indivíduo na organização: dimensões esquecidas (3a ed., vol. I, pp. 21-45). São Paulo: Atlas.

CORSETTI, R.(2013). Desenvolvimento de pessoas com vistas à expatriação: um estudo em três multinacionais atuantes no RS. (Dissertação de Mestrado em Administração), UFRG, Rio Grande do Sul, Brasil. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/78440/000899575.pdf?sequence=1

CRESWELL, J. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: Escolhendo entre cinco abordagens. (3a ed.). Porto Alegre: Penso.

DELLAGNELO, E. & SILVA, R.(2005). Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In: VIEIRA, M. M. F; ZOUAIN, D. M. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV.

DUTRA, J. (2002). Gestão de Pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. São Paulo: Atlas.

FDC. Fundação Don Cabral (2014). Ranking das transnacionais Brasileiras 2014: A força da marca Brasil na criação de valor internacional. Recuperado de http://www.fdc.org.br/blogespacodialogo/Documents/ranking_fdc_multinacionais_brasileiras2014.pdf

FDC. Fundação Don Cabral (2015). Ranking das transnacionais Brasileiras 2015: A capacidade de adaptação cultural das empresas brasileiras no mundo. Recuperado de https://www.fdc.org.br/blogespacodialogo/Documents/2015/ranking_fdc_multinacionais_brasileiras2015.pdf

FLEURY, A. & FLEURY, M. T. L. (2012). Multinacionais Brasileiras -Competências para a internacionalização. (1a. ed.) Rio de Janeiro: FGV.

FRAGA, V. (1998). Projeto de desenvolvimento intercultural: uma estratégia nos serviços globais. Revista de Administração Pública, 32(5), p. 99-124.

FRAGA, V. & ESTEVES, V. (2004). AIR TRANSPORT CHALLENGES: importance of cross cultural education and research. In: Global Business and technology navigating crisis and opportunities in global markets. GBATA, 10, África do Sul.

FRAGA, V. (2009). Gestão pela formação humana: uma abordagem fenomenológica. (2a. ed.). Niteroi: Impetus, 2009.

FREITAS, M. E. & DANTAS, M. (2011). O estrangeiro e o novo grupo. RAE-Revista de Administração de Empresas, 51(6), 601-608. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902011000600008

GALLON, S., GARAY, A. B. S. & BITENCOURT, B. M. Expatriação como processo estratégico nas empresas internacionalizadas. Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, Brasil, 36.

GAULEJAC, V. (2007). Gestão como Doença Social. São Paulo: Ideias e Letras.

GIBBS, G. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: ArtMed.

HOFSTEDE, G. (2003). Culturas e organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Gráfico Manuel A. Pacheco Ltda.

JOLY, A. (2012). Alteridade: ser executivo no exterior. In: Chanlat, J. F. (Coord.) O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. (3. ed., vol. 1, p. 83-124). São Paulo: Atlas.

LIMA, M. B. & BRAGA, B. M. (2010). Práticas de recursos humanos do processo de repatriação de executivos brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 14(6), 1031-1053.

LISBOA, T. W. (2014). Cenas da diversidade no ambiente empresarial: os atuais fluxos migratórios internacionais para o Brasil e o desafio da interculturalidade. ORGANICOM, 11(21), 177-186.

MANZON, F. S., JAEGER, M.A. & KATO, H. T. (2010). Percepção das barreiras aos negócios internacionais: aspectos relacionados à internacionalização e expatriação. Revista Perspectiva, Erechim. 34(26), 33-45.

McCRACKEN, G. (1998). The long interview. Newburry Park: Sage Publications.

MERLEAU-PONTY, M. (2011). Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

MENDENHALL, M., PUNNETT, B. J. & RICKS, D. (1995). Global Management. Massachussetts: Blakwell.

MURITIBA, P. M., MURITIBA, S. N., CAMPANARIO, M. A. & ALBUQUERQUE, L. G. (2010). International HR strategy in Brazilian technology multinationals. BAR - Brazilian Administration Review, 7, 325-344.

BLACK, J. S., MENDENHALL, M. & ODDOU, G. (1991). Toward a comprehensive model of international adjustment: an integration of multiple theoretical perspectives. Academy of Management Review, 16(2), 291-317.

NOGUEIRA, A., BARRETO, M. & DELGADO, M. (2013). Gestão de Recursos Humanos no Processo de Internacionalização. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 8 (1) 48-6.

ORSI, A. (2010). Gestão Internacional de pessoas: políticas de recompensas para expatriados por empresas brasileiras (Tese de Doutorado em Administração) Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

PERLMUTER, H. V. (1969) The tortuous evolution of the multinational corporation. Columbia Journal of World Business, 4(1), 9-18.

PELTONEN, T. (2006). Critical theoretical perspectives on International Human Resources Management. In: Bjorkman, I., Stahl, G (ed.) Handbook of research in international human resource management, Cheltenham: Edward Elgar.

ROSAL, A. S. R. Políticas de remuneração na expatriação de executivos: a compreensão dos gestores de recursos humanos internacional. Congresso do Instituto Franco-Brasileiro de Administração de Empresas, Gramado, Brasil, 8.

SALGADO, O. T. E. (2014). Programas de Expatriação e Repatriação: Políticas e Práticas de Recursos Humanos nas Transnacionais Brasileiras. (Tese de doutorado em Administração) - Universidade Municipal de São Caetano do Sul- USCS, São Caetano do Sul.

SCHULER, R. & TARIQUE, I. International HRM: A North America perspective, a thematic update and suggestions for future research. International Journal of Human Resource Management, 18(5), 15–43.

SILVA, N. B., ORSI, A. & NAKATA, L. E. (2013). Análise da Produção Acadêmica sobre Gestão Internacional de Recursos Humanos entre 2001 e 2011. ReCaPe- Revista de Carreiras e Pessoas, 3(3), 50-60.

SPANGER, M. A. F. C. (2012). Glamour e sombras na expatriação de executivos e executivas globais: intercorrências no trabalho e na família. (Tese de Doutorado em Tecnologia) Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, Brasil.

TANURE, B., EVANS, P. & PUCIK, V. (2007). A Gestão de Pessoas no Brasil. Virtudes e Pecados Capitais. Estudos de Caso. Rio de Janeiro: ELSEVIER.

TANURE, B. & DUARTE, R. G. (2006). Gestão Internacional. São Paulo: Saraiva.

TUNG, R. L. Selecting and training procedures of U.S., European, and Japanese multinational corporations.(1981), California Management Review, 25(1), 57–71.

WOOD, T. J.; TONELLI, M. J.; COOKE, B. (2012). Para onde vai a gestão de pessoas? GV-Executivo, 11(2), 20-24.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.1126-20

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM



INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório:


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia