A evolução do modelo de uppsala à luz da abordagem dos sistemas adaptativos complexos

Rennaly Alves da Silva, Walter Fernando Araújo de Moraes

Resumo


A abordagem comportamental sobre a internacionalização das empresas explica que os movimentos em direção aos mercados externos ocorrem de forma incremental, com o comprometimento crescente dos recursos para amenizar os efeitos da incerteza e reduzir a percepção sobre os riscos. Evidências indicam que as teorias e as práticas desenvolvidas para o mercado doméstico podem não ser capazes de explicar a realidade das empresas que atuam em mercados internacionais. Assim, o Paradigma da Complexidade apresenta-se como uma alternativa mais abrangente para perceber as relações dentro das organizações e com os mercados. Nesse sentido, o objetivo do ensaio teórico é analisar a evolução do Modelo de Uppsala entre os anos de 1975 e 2010 com o entendimento das empresas em processo de internacionalização como Sistemas Adaptativos Complexos, de acordo com o Modelo de Kelly e Allison (1998). São apresentadas quatro proposições que evidenciam as ligações existentes entre as abordagens. O mais surpreendente é a percepção de que a evolução conceitual do Modelo de Uppsala parece acompanhar os níveis de evolução da complexidade apresentados no Modelo de Kelly e Allison

Palavras-chave


Internacionalização; Modelo de Uppsala; Paradigma da complexidade; Sistemas adaptativos complexos

Texto completo:

PDF

Referências


AGOSTINHO, M. E. Administração complexa: revendo as bases científicas da administração. RAE Eletrônica, v. 2, n.1, jan/jun, 2003. DOI: 10.1590/S1676-56482003000100016

ALEM, A. C., Cavalcanti, C. E. – O BNDES e o Apoio à Internacionalização das Empresas Brasileiras: Algumas Reflexões. In: Revista do BNDES, v. 12, n. 24, p. 43-76, 2005.

ANDERSEN, O. On the internationalization process of firms: A critical analysis. Journal of International Business Studies, v. 24, n. 2, 1993. p. 209- 231. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490230

AMBONI, N. et. al. Interdisciplinaridade e Complexidade no Curso de Graduação em Administração. XXXIV Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD. Setembro, 2010. DOI: 10.1590/S1679-39512012000200005

BARNEY, J. B., Gaining and Sustaining Competitive Advantage. 4th Edition. New Jersey: Prentice-Hall, 2011.

BARTLETT, C. A.; GHOSHAL, S. Managing across Borders: New Strategic Requirements. Sloan Management Review, v. 28, n. 4, p. 7-17, Summer 1987.

BOULDING, K.E. General Systems Theory - A Skeleton of Science. In: Management science, 1956. DOI: 10.1287/mnsc.2.3.197

BOULDING, K.E. The World as a total system. London, Sage publications, 1985.

CAMARGO, A. A.; NOGUEIRA, H. G. P. A Complexidade e o Ambiente de Gestão em uma Indústria Química. XV Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD, 2011.

CARDOSO, O. O.; SERRALVO, F. A. Pluralismo Metodológico e Transdisciplinaridade na Complexidade: Uma Reflexão para a Administração. XXXI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD. Setembro, 2007. DOI: 10.1590/S0034-76122009000100004

CARLOMAGNO, M.; BRUHN, P. R. L. Estratégia em ambientes complexos e imprevisíveis. In: Encontro de Estudos em Estratégia, 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2005.

CASTI, J. Complexification: Explaining a paradoxical World through the science of surprise. Harper Collins, New York, 1994.

CAVUSGIL, S.T. Organizational characteristics associated with export activity. Journal of Management Studies., v. 21, n. 1, p. 3-22, 1984. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1984.tb00222.x

CRUZ, L. B.; MARTINET, A. C. O Processo de Formação de Estratégias de Desenvolvimento Sustentável a partir da Teoria da Complexidade: O caso de dois Grupos varejistas franceses. XXXI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD. Setembro, 2007.

CYERT, R. D., & MARCH, J. G. A behavioral theory of the firm. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall. 1963.

DIB, L. A.; CARNEIRO, J. Avaliação Comparativa do Escopo Descritivo e Explanatório dos Principais Modelos de Internacionalização de Empresas. In: Anais do XXX ENANPAD. Salvador: ANPAD, 2006.

DUNNING, J. H. The eclectic paradigm of international production: a restatment and some possible extensions. Journal of International Business Studies., v. 19, n. 1, 1988. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490372

FREIRE,P.S., et al. Re-significando a Cultura Organizacional de uma empresa brasileira de TI como um Sistema Complexo capaz de Promover Inovação. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD, 2008.

EASTERBY-SMITH, M.; SNELL, R.; GHERARDI, S. Organizational learning: diverging communities of practice. Management Learning, v. 29, n. 3, p. 259-272, 1998.

ERIKSSON, K.; JOHANSON, J., MAJKGARD, A.; SHARMA, D. D. Experiential knowledge and cost in the internationalization process. Journal of International Business Studies, v. 28, n. 2, p. 337–360, 1997.

GAMARRA, J. E. T; PEDROZO, E. A. Modelo de Sistema Adaptativo Complexo para o Mercado do Etanol no Brasil. XXXIII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD, 2009.

GELL-MANN, M. O Quark e o Jaguar: as aventuras no simples e no complexo. Tradução: Alexandre Tort. Rio de janeiro, ROCCO, 1996.

GINO, F. Complexity measures in decomposable structures. In EURAN: Conference on Innovative Research in Management, Stockholm, Sweden, 2002.

GOMES, F. P.; MEYER Jr, Victor. Formação de Estratégias: Uma Análise Sob as Lentes da Teoria da Complexidade. V Encontro de Estudos em Estratégia. Porto Alegre, 2011.

FREITAS, M. L. G. Inserção internacional de empresas de cafés industrializados do Brasil: um estudo multicaso (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2006.

HILAL, A.; HEMAIS, C. A. Da Escola de Uppsala à Escola Nórdica de Negócios Internacionais: uma Revisão Analítica. In: XXX Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2001.

HITT, M. A.; FRANKLIN, V.; ZHU, H. Culture, institutions and international strategy. Journal of International Management, n. 12, p. 222–234, 2006. DOI: 10.1016/j.intman.2006.02.007

HOLLAND, J. H. Hidden Order: How adaption builds complexity, edição em paperback. Helix Books: 1996.

HOLM, D. B.; ERIKSSON, K.; JOHANSON, J. Business Networks and Cooperation in International Business Relationships. Journal of International Business, v. 27, n. 5, p. 1033-1053, 1996. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490162

IAROZINSKI, A. N. Proposta de um modelo conceitual de gestão da produção baseado na teoria da complexidade. Monografia, Universidade Católica do Paraná, 2001.

JARDIM, P. E. do V. Uma contribuição teórica para a utilização do pensamento complexo na formulação estratégica. Rio de Janeiro: Faculdades Ibmec, 2006.

JOHANSON, J., WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm: Four Swedish cases. Journal of Management Studies, v. 12, n. 3, p. 305–322, 1975. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x

JOHANSON J.; VAHLNE J. E. The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign commitments. Journal of International Business Studies, v. 8, p. 23–32, 1977. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x

JOHANSON J.; VAHLNE J. E. Business relationship commitment and learning in the internationalization process. Journal International Entrepreneurship, v. 1, n. 1, p. 83–101, 2003.

JOHANSON J.; VAHLNE J. E. The Uppsala internationalization process model revisited-from liability of foreignness to liability of “Outsidership”. Journal of International Business Studies, v. 40, n. 9, p. 1411–1431, 2009. DOI: 10.1057/jibs.2009.24

KELLY, S.; ALLISON, M. A. The complexity advantage: how the science of complexity can help your business achieve peak performance. New York, 1998.

KOVACS, E. P.; MORAES, W. F. A. Modos de entrada e teorias de internacionalização: uma análise crítica. In: Asamblea Anual de Cladea, 40, Santiago de Chile. Anais... Santiago de Chile: CLADEA, 2005.

KUHN, T.S. Estrutura das revoluções científicas, São Paulo: perspectiva, 1978.

LAMAS, Z. J.; GODOI, C. K. O processo de aprendizagem em sistemas adaptativos complexos: um schema teórico. XXX Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Salvador: ANPAD, 2006.

LEITE, M. S. A. Proposta de uma modelagem de referência para representar sistemas complexos. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, 2004. Orientador Antonio Cezar. Bornia. – Florianópolis, 2004.

McDOUGALL, P. P. International Versus Domestic Entrepreneurship: New venture strategic behavior and industry structure. Journal of Business Venturing, v.4, n. 6, p.387-400, 1989. DOI: 10.1016/0883-9026(89)90009-8

MELIN, L. Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal, v. 13, p. 99-118, 1992. DOI: 10.1002/smj.4250130908

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva das Nações. Rio de Janeiro: Campus, 1989.

MORIN, E. E. Ciência com Consciência. Lisboa: Instituto Piaget, 2010.

MORIN, E. E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget, 2011a.

MORIN, E. E. O Método 1: A natureza da Natureza. Porto Alegre: Sulina, 2008.

MORIN, E. E. O Método 5: A Humanidade da Humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2007.

MORIN, E. E. O Desafio do Século XXI : Religar o Conhecimento. Lisboa: Piaget, 2008.

MORIN, E. E. Rumo ao Abismo? Ensaio sobre o Destino da Humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2011b.

NAKATA, L. E; YOKOMIZO, C. A. Análise da complexidade na gestão de pessoas. XXXII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD, Setembro, 2008.

OLIVEIRA, A. L; REZENDE, D. C; CASTRO, C. C. Redes Interorganizacionais Horizontais como Sistemas Adaptativos Complexos: um estudo em uma rede de supermercados do sul de Minas Gerais. XXXIII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD. Setembro, 2009.

OLIVEIRA, B. R. B.; KOVACS, E. P.; MORAES, W. F. A. Alianças Estratégicas Verticais como Sistemas Adaptativos na Competição Global: uma Discussão Preliminar. INTERNEXT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 19-38, jul./dez. 2006.

PALAZZO, L. Aspectos da Modelagem de Sistemas de Informações Inteligentes. Exame de Qualificação em Profundidade. CPGCC da UFRGS, Programa de doutorado, 1996.

PASCUCCI, P.; MEYER Jr., V. Formação de Estratégias em Sistemas Complexos: Estudo Comparativo de Organizações Hospitalares sob a Perspectiva Prática. XXXV Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Rio de Janeiro: ANPAD, Setembro, 2011.

PENROSE, E. T. The theory of the growth of the firm. Oxford: Basil Blackwell, 1966.

PETTERSSON, M. Complexity and Evolution. Cambridge University Press, 1996.

REBELO, L.M.B., ERDMANN, R. H. Formação de Estratégias em Universidades: Processo Formal, Negociado ou Construção Permanente? Revista Diálogo Educacional, vol. 4, núm. 11, abril, 2004, pp. 1-17.

REBELO, L.M.B.; ERDMANN, R. H.; COELHO, C. C. S. R. Avaliação do processo de formação de estratégias de gestão em universidades à luz dos pressupostos da teoria da complexidade. 29º Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais, Brasília: ANPAD, 2005.

ROSA, P. R.; RHODEN, M. I. S. Internacionalização de uma empresa brasileira: um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, n. 3, p. 1-23, set./dez. 2007.

SCHWEIZER, R.; VAHLNE J.E; JOHANSON, J. Internationalization as an entrepreneurial process. Journal of International Entrepreurship, v. 8, n. 4, p. 343–370, 2010. DOI: 10.1007/s10843-010-0064-8

SANCHES, T. P.; CUNHA, A. H.; COSTA, A. C. C.; Erdmann, R. H. Gestão da Complexidade na Produção. XXXII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD Setembro, 2008.

SERVA, M.; DIAS, T.; ALPERSTEDT, G. D. O paradigma da complexidade e a teoria das organizações: uma reflexão epistemológica. RAE (Impresso), v. 50, p. 1-26, 2010.

SHARMA, V. M.; ERRAMILLI, M. K. Resource based Explanation of Entry Mode Choice. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 12, n. 1, p. 1-18, Winter 2004.

SILVA, A. B.; REBELO, L. M. B. As Implicações do Pensamento Complexo na Análise Organizacional. XXXI Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: ANPAD, Setembro, 2007.

SILVA, J. R. A internacionalização das empresas portuguesas: a experiência brasileira. Revista de Administração de Empresas, 45, edição especial Minas Gerais, 102-112. 2005.

SILVA, R. V. A. Teoria da Complexidade e Pós-Modernismo: contribuições da epistemologia complexa para os estudos organizacionais. In: ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, Curitiba. Anais... Rio de Janeiro: ANPAD, 2000.

STADNICK, K.T.; ERDMANN, R.H.; REBELO, L. M. B. A produção de serviços de saúde sob a ótica da teoria da complexidade: estudo do PCP do Setor de Análises 50 Clínicas de um Hospital Universitário. XXX Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Salvador: ANPAD. 2006.

STADNICK, K.T.; et al. Organizações Sob a Ótica dos Sistemas Complexos. XXXII Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Rio de Janeiro: EnANPAD, 2008.

STREIT, R.E.; KLERING, L.R.Governança pública sob a perspectiva de sistemas complexos. Encontro Nacional de estudos em gestão pública e governança. Salvador, 2004.

WITTMANN, M. L; LÜBECK, R. M.; SILVA, M. S.; XAVIER, N. R. Uma visão não-linear pelo prisma da complexidade sobre o ambiente da estratégia empresarial. V Encontro de Estudos em Estratégia. Porto Alegre, maio de 2011.

VERNON, R. International Investment and International Trade in the Product Cycle. Quarterly Journal of Economics, v. LXXX, v. 80, n. 2, p. 190-207, 1966. DOI: 10.2307/1880689




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.8363-80