A formação de centros de excelência nas subsidiárias de sistemistas no Brasil: uma análise sob a ótica do conhecimento organizacional

Wilian Gatti Junior, Ana Paula Franco Paes Leme Barbosa

Resumo


No Brasil, o veículo flex fuel protagonizou um alteração no papel das subsidiárias de sistemistas que não só desenvolveram a nova tecnologia, como se tornaram centros de excelência para aplicações envolvendo combustíveis alternativos. Muitas pesquisas estudaram os mecanismos que levam a constituição desses centros em países emergentes, com foco no papel da matriz ou nas condições dos países que hospedam a subsidiária. Este artigo se propôs a identificar a criação do conhecimento organizacional que habilitaram subsidiárias a se tornar centros de excelência. Para isso, foi adotada uma abordagem de múltiplos estudos de caso com as três empresas pioneiras no desenvolvimento da tecnologia flex fuel no Brasil: Bosch, Delphi e Magneti Marelli. A pesquisa constatou que o conhecimento organizacional foi construído a partir de duas fontes (interna e externa) com evidências nos modos de conversão do conhecimento propostos no modelo SECI: o conhecimento explícito, divulgado nos registros da companhia, relatórios de desenvolvimento, banco de dados, inputs do mercado e a relação com as matrizes e montadoras (externalização e combinação) e pelo conhecimento tácito com o estudo de soluções técnicas (internalização) e com a troca de experiências entre diferentes gerações de engenheiros (socialização).

Palavras-chave


Centros de excelência; Conhecimento organizacional; Combustíveis alternativos

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, P.; PHENE, A. Subsidiares and knowledge creation: influence of the MNC and host country on innovation. Strategic Management Journal, v. 25, p. 847-864, 2004. DOI: 10.1002/smj.388.

AMATUCCI, M., BERNARDES, R.C. Formação de competências para o desenvolvimento de produtos em subsidiárias brasileiras de montadoras de veículos. Prod., v. 19, n. 2, p. 359 – 375, 2009. DOI:10.1590/S0103-65132009000200011.

AMATUCCI, M., BERNARDES, R.C. O novo papel das subsidiárias de países emergentes na inovação em empresas multinacionais – o caso da General Motors do Brasil. RAI – Revista de Administração e Inovação, v. 4, n. 3, p. 5–16, 2007.

ANDERSON, P.; TUSHMAN, M.L. Technological Discontinuities and Dominant Designs: a cyclical model of technological change. Administrative Science Quarterly, v. 35, n.4, p.604-633, 1990.

ANDERSON, U.; FORSGREN, M.; HOLM, U. The strategic impact of external networks: subsidiary performance and competence development in multinational corporation. Strategic Management Journal, v. 23, p. 979 – 996, 2002.

BIRKINSHAW, J., HOOD, N. Multinational Subsidiary Evolution: Capability and Charter Change in Foreign-Owned Subsidiary Companies. The Academy of Management Review, v. 23, n. 4, 1998. DOI:10.2307/259062.

BJORKMAN, I.; FORSGREN, M. Nordic international business research: a review of its development. International Studies of Management and Organization, v. 30, n. 1, p. 6 – 25, 2000.

BORINI, F. M.; FLEURY, M. T. L.; FLEURY, A. Corporate Competences in Subsidiaries of Brazilian Multinationals. Latin American Business Review, v. 10, n. 2, p. 161 – 185, 2011. DOI:10.1080/10978520903340952.

BORTOLOZZO, G.; ALARCÓN, O. E. Q.; NETO, M. A.T. Miscibilidade de Álcool Etílico, Gasolina e Água. In: Simpósio de Engenharia Automotiva, 7., 1993, São Paulo. Anais... São Paulo: Simpósio de Engenharia Automotiva, 1993.

CAPUTO, M.; ZIRPOLI, F. Supplier involvement in automotive component design: outsourcing strategies and supply chain management. International Journal of Technology Management, v. 23, n.1/2/3, p.129–154, 2002.

CERRA, A.L.; MAIA, J.L.; ALVES FILHO, A.G. Projetos locais de desenvolvimento no contexto das cadeias de suprimentos de montadoras de motores veteranas e entrantes. Gest. Prod., São Carlos, v. 14, n. 3, dez. 2007.

CONSONI, F.L.; CARVALHO, R.Q. Desenvolvimento de produtos na indústria automobilística brasileira: perspectivas e obstáculos para a capacitação local. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 6, n. 1, Apr. 2002.

CROSSAN, M.M.; LANE, H.W.; WHITE, R.E. An organizational learning framework: from intuition to institution. Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 522-537, 1999.

DAFT, R.L.; WEICK, K.E. Toward a model of organizations as interpretation systems. The Academy of Management Review, v. 9, n. 2, p. 284-295, 1984.

DIAS, A.V.C; SALERNO, M.S. Descentralização das atividades de pesquisa, desenvolvimento e engenharia de empresas transacionais: uma investigação a partir da perspectiva das subsidiárias automotivas. Gest. Prod., v. 16, n. 2, p. 187-199, 2009.

DUNNING, J.H. Multinational enterprises and the globalization of innovatory capacity. Research Policy, v. 23, p. 67-68, 1994.

EISENHARDT, K.M. Building Theories from Case Study Research. Academy of Management Review, v.14, n.4, p.532-550, 1989.

FIGUEIREDO, P.N. Aprendizagem tecnológica e performance competitiva. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2003.

FLEURY, M.T.L.; FLEURY, A. Construindo o conceito de competência. Rev. adm. contemp., Curitiba, v. 5, n. spe, 2001 .

FLEURY; M.T.L; OLIVEIRA JR, M.M. Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

FROST, S.; BIRKINSHAW, J.; ENSIGN, P. Centers of excellence in multinational corporations. Strategic Management Journal, v. 23, n. 11, p. 997-1018, 2002. DOI: 10.1002/smj.273.

HEDLUND, G. A model of knowledge management and the N-form corporation. Strategic Management Journal, v. 15, p. 73-90, 1994.

LEONARD-BARTON, D. Nascentes do saber: criando e sustentando as fontes de inovação. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

LAMMING, R. Beyond partnership: strategies for innovation and lean supply. United Kingdon: Prentice-Hall, 1993.

LYNN, G.S.; AKGÜN, A.E. A new product development learning model: antecedents and consequences of declarative and procedural knowledge. Int. J. Technology Management, v. 20, n. 5/6/7/8, p. 490-510, 2000.

MIGUEL, P.A.C. Estudo de caso na engenharia de produção: estruturação e recomendações para sua condução. Prod., v. 17, n.1, p. 216-229, 2007.

MOORE, K.; BIRKINSHAW, J. Managing knowledge in global service firms: Centers of excellence. Academy of Management Executive, v. 12, n. 4, p. 81-92, 1998.

NAKANO, D.N.; FLEURY, A.C.C. Conhecimento organizacional: uma revisão conceitual de modelos e quadro de referência. Produto & Produção, v. 8, n.2, p. 11-23, 2005.

NICHOLS, R.J. The metanol story: a sustainable fuel for the future. Journal of Scientific & Industrial Research, v. 62, p. 97-105, 2003.

NONAKA, I. The knowledge-creating company. Harvard Business Review, n. 69, p. 96-104, 1991.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica do conhecimento. 19. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

OLIVEIRA JUNIOR, M.M.; BOEHE, D.M.; BORINI, F.M. Estratégia e Inovação em Corporações Multinacionais: a transformação das subsidiárias brasileiras. São Paulo: Saraiva, 2009.

ROZENFELD, H. et al. Gestão de desenvolvimento de produtos: uma referência para a melhoria do processo. São Paulo: Saraiva, 2006.

SABHERWAL, R.; BECERRA-FERNANDEZ, I. An empirical study of the effect of knowledge management processes at individual, group and organizational levels. Decision Science, v. 34, n. 2, p. 225-260, 2003. DOI: 10.1111/1540-5915.02329.

SILVA, S. L. Proposição de um modelo para caracterização das conversões do conhecimento no processo de desenvolvimento de produtos. São Carlos, 2002. Tese (Doutorado em Engenharia Mecânica) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica, Escola de Engenharia de São Carlos.

SILVA, S.L.; ROZENFELD, H. Model for mapping knowledge management in product development: a case study at a truck and bus manufacturer. Int. J. Automotive Technology and Management, v. 7, n. 2/3, 2007.

SILVA, S.L.; ROZENFELD, H. Modelo de avaliação da gestão do conhecimento no processo de desenvolvimento do produto: aplicação de um estudo de caso. Prod., São Paulo, v. 13, n. 2, 2003. DOI: 10.1590/S0103-65132003000200002.

TAGGART, J. H. Autonomy and Procedural Justice: A Framework for Evaluating Subsidiary Strategy. Journal of International Business Studies, v. 28, n. 1, p. 51–76, 1997.

TOLEDO, J. C. et al. Práticas de gestão no desenvolvimento de produtos em empresas de autopeças. Prod., v. 18, n. 2, p. 408 – 422, 2008.

VON KROGH, G.; ICHIJO, K.; NONAKA, I. Facilitando a criação do conhecimento: reinventando a empresa com o poder da novação contínua. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZOROVICH, M. R. S. A emergência de centros de excelência (COEs) e a transferência de conhecimento a partir das subsidiárias da Pirelli e da Peugeot Citroën do Brasil. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, São Paulo, v. 7, n. 1, p. 149-165, jan./jun. 2012.




DOI: https://doi.org/10.18568/1980-4865.8338-62

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext



INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: