Perspectiva dos Expatriados sobre Aspectos do Ambiente Institucional que Influenciam suas Condições de Vida nos Países Hospedeiros

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18568/internext.v17i1.631

Palavras-chave:

Expatriação, Condições de Vida no Exterior, Ambiente Institucional, Países Hospedeiros

Resumo

Objetivo: O estudo teve o objetivo de analisar a perspectiva dos expatriados sobre aspectos do ambiente institucional que influenciam suas condições de vida nos países hospedeiros.

Método: Tratou-se de uma pesquisa quantitativa, com dados secundários obtidos a partir do relatório HSBC Expat Explorer Broadening perspectives, publicado em 2017. Realizou-se análise de cluster, para agrupamento dos países sobre nove variáveis relativas aos aspectos econômicos, de experiência e de família. Validaram-se os resultados obtidos por meio de análise discriminante.

Principais resultados: Constatou-se a existência de três agrupamentos, um com uma maior valorização dos aspectos de experiência, outro com valorização equivalente dos aspectos de experiência e econômicos e outro com maior valorização de aspectos de família.

Relevância/originalidade: Como as condições de vida em outros países podem influenciar o ajustamento intercultural do expatriado e a duração da expatriação, podendo inclusive culminar em uma repatriação antecipada, esse estudo se faz relevante e original por relacionar temas que geralmente são estudados em separado: fatores institucionais dos países, condições de vida nos países e expatriação.

Contribuições teóricas/metodológicas:  O estudo amplia as discussões ao considerar a perspectiva dos expatriados sobre como os fatores institucionais dos países hospedeiros influenciam as condições de vida que terão alhures.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Rangel Moraes, Universidade Federal do Ceará -UFC, Ceará, (Brasil).

Bacharel em Administração pela Universidade Federal do Ceará - UFC, Ceará, (Brasil).

Márcia Zabdiele Moreira, Universidade Federal do Ceará - UFC, Ceará, (Brasil).

Doutora em Administração de Empresas pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR, Ceará, (Brasil). Professora do Programa de Pós Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (PPAC/UFC), Céara.

Diego de Queiroz Machado, Universidade Federal do Ceará - UFC, Ceará, (Brasil).

Doutor em Administração. Professor do Programa de Pós Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (PPAC/UFC), Céara, (Brasil).

Daniel Barboza Guimarães, Universidade Federal do Ceará - UFC, Ceará, (Brasil).

Doutor em Economia pela Universidade Federal do Ceará - UFC, Ceará, (Brasil). Professor do Programa de Pós Graduação em Administração e Controladoria da Universidade Federal do Ceará (PPAC/UFC), Céara.

Referências

Brewster, C., Sparrow, P., & Vernon, G. (2011). International human resource management. 3. ed. London: Chartered Institute of Personnel and Development.

Brunozi Júnior, A. C., Antunes Júnior, J. A. V., Kronbauer, C. A., & Deboçã, L. P. (2016). Fatores institucionais determinantes das relações interorganizacionais: o caso da Rede Educar. Revista Estudo & Debate, v. 23, n. 1.

Caligiuri, P. M. (1997). Assessing expatriate success: Beyond just "being there" In Z. Aycan (Ed.), New approaches to employee management, v. 4. Expatriate management: Theory and research (p. 117–140). Elsevier Science/JAI Press.

Caligiuri, P. M., Hyland, M-A., & Joshi, A. (1998). Testing a theoretical framework for examining the relationship between family adjustment to working in the host country. Journal of Applied Psychology, New Jersey, 83 (4), 598-614.

Caligiuri, P. M. (2000). Selecting expatriates for personality characteristics: a moderating effect of personality on the relationship between host national contact and cross-cultural adjustment. Management International Review, 40 (1), 61-80.

Carpes, A.M., Scherer, F. L., Lütz, C., Beuron, T. A, Borges, D. E., & Santos, M. B. dos. (2012). Gestão internacional de pessoas: considerações a partir do ajustamento internacional de expatriado na China e na Espanha. Internext – Revista Eletrônica de Negócios da ESPM, São Paulo, 7 (1), p. 88-122.

Corrar, L. J.; Paulo, E., & Dias Filho, J. M. (Coord.). (2014). Análise multivariada: para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. São Paulo: Atlas.

Cota, M. S. G., Emmendoerfer, M. L., Reis, A. C. G., & Silva, L. L da (2015). Processo de Adaptação de Executivos Expatriados no Brasil: um estudo sobre a atuação do profissional de Secretariado Executivo em uma multinacional de origem alemã. Revista de Gestão e Secretariado – GeSec, 6 (1), 74-98.

Dowling, P. J., Festing, M., Engle, A. D. (2013). International Human Resource Management. 6. ed. London: Cengage Learning.

Dutra, J. S. (2012). Gestão de pessoas: modelos, processos, tendências e perspectivas. 11. ed. São Paulo: Atlas.

Fávero, L. P. L., Belfiore, P. P., Silva, F. L. da, & Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

FINACCORD, Finaccord Expatriate Base. (2018). Global expatriates: size, segmentation and forecast for the worldwide market, report prospectus. London. Disponível em: <https://www.finaccord.com/Home/About-Us/Press-Releases/Global-Expatriates-Size,-Segmentation-and-Forecas.pdf >. Acesso em: 25 jun. 2020.

Fonseca, J. J. S. (2002). Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UECE.

Gallon, S., Cerutti, P. S., Maciel, A. C., & Oliva, E. C. (2017). Políticas e Práticas do Processo de Expatriação: Um Estudo de Caso em uma Multinacional Brasileira. Revista Gestão Organizacional, 10 (3), 79-101.

Gallon, S., Fraga, A. M., & Antunes, E. D. (2017). Conceitos e Configurações de Expatriados na Internacionalização Empresarial. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 23 (N. Especial), 29-59.

González, J. M. R.; Oliveira, J. A. (2011). Os efeitos da expatriação sobre a identidade: estudo de caso. Caderno EBAPE.BR, Rio de Janeiro, 9 (4), 1122-1135.

Harrison, D. A.; Shaffer, M. A.; Bhaskar-Shrinivas, P. (2004). Going places: roads more and less traveled in research on expatriate experiences. Research in Personnel and Human Resources Management, 23, 203-252.

Hill, C. W. L. (2011). International business: competing in the global marketplace. 8. ed. New York: McGraw-Hill/Irwin.

Lacombe, B. M. B., & Chu, R. A. (2008). Políticas e práticas de gestão de pessoas: as abordagens estratégica e institucional. RAE-Revista de Administração de Empresas, 48 (1), 25-35.

Lee, M-D. P. (2011). Configuration of external influences: the combined effects of instituions and stakeholders on corporate social responsability strategies. Journal of Business Ethics, 102 (2), 281-298.

Mendenhall, M., & Oddou, G. (1985). The dimensions of expatriate acculturation: a review. Academy of Management Review, 10 (1), 39-47.

Meyer, J. W., & Rowan, B. (1977). Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, 83 (2), 340-363.

North, D. C. (1990). Instituions, institucional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press.

Peng, M. W., Sun, S.L., Pinkham, B., & Chen, H. (2009). The instituion-based view as a third leg for a strategy tripod. The Academy of Management Perspectives, 23 (3), 63-81.

Peng, M. W. (2002). Towards an instituition-based view of business strategy. Asia Pacific Journal of Management, 19 (2), 251-267.

Peng, M. W. (2013). Global business. 3. ed. Cincinnati: South Western Cengage Learning.

Ranieri, A. (2018). Diversity management in three Latin American countries: an institutional perspective. ARLA. Academia Revista Latinoamericana de Administración, 31 (2), 2018, 426-447.

Rossetto; C. R., & Rossetto, A. M. (2005). Teoria Institucional e Dependência de Recursos na Adaptação Organizacional: Uma Visão Complementar. RAE-Eletrônica, 4 (1), 25-35.

Sambavisan, M., Sadoughi, M., & Esmaeilzadeh, P. (2017). Investigating the factors influencing cultural adjustment and expatriate performance: the case of Malaysia, International Journal of Productivity and Performance Management, 66 (8), 1002-1019.

Scott, W. R. (2014). Institutions and Organizations: Ideas, Interests, and Identities (4a). London: Sage Publications Ltd.

Selznick, P. (1971). A Liderança na Administração: uma interpretação sociológica. Tradução de Arthur Pereira e Oliveira Filho. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

Snell, S., & Bohlander, G. (2013). Administração de recursos humanos. Tradução de Maria Lúcia G. Leite Rosa e Solange Aparecida Visconti. 2. ed. São Paulo: Cengage Learning.

Tanure, B., & Duarte, R. G. (Orgs.) (2006). Gestão internacional. São Paulo: Saraiva.

Tertuliano, I. W. (2016). Processo de Expatriação de Voleibolistas: concepções bioecológicas. 2016. 284 f. Tese (Doutorado e Desenvolvimento Humano e Tecnologias) – Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro.

Zhang, N., & Rentz, A. L. (1996). Intercultural adaptation among graduate students from the people’s republic of China. College Student Journal, 30 (3), 321-329.

Publicado

2021-11-11

Como Citar

Moraes, M. R., Moreira, M. Z., Machado, D. de Q., & Guimarães, D. B. (2021). Perspectiva dos Expatriados sobre Aspectos do Ambiente Institucional que Influenciam suas Condições de Vida nos Países Hospedeiros. Internext, 17(1). https://doi.org/10.18568/internext.v17i1.631

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)