Causas e Impactos da Instabilidade Política na Perfomance do Comércio Internacional

Thamires Stoffel, Vanessa Theis, Dusan Schreiber

Resumo


Esta pesquisa apresenta um estudo reflexivo acerca de possíveis causas e os impactos da instabilidade política no desempenho do comércio internacional. Em formato de ensaio teórico, este artigo baseia-se em revisão teórica de autores que discutem sobre a globalização e seus reflexos sobre os Estados, e sobre as especificidades que caracteriza a instabilidade política. Na sequência, com o intuito de evidenciar os elementos que foram identificados a partir da revisão teórica, foi realizado o estudo baseado em levantamento documental, que detalham as situações e contexto de países que passam ou passaram por instabilidade política recentemente: Tunísia, Ucrânia, Paraguai e Brasil, a fim de analisar os impactos que as instabilidades políticas causam no Comércio Internacional destes países. 


Palavras-chave


Instabilidade Política; Comércio Exterior; Globalização; Governos; Crise Política

Texto completo:

PDF

Referências


Adarov, A., Astrov, V., Havlik, P., Hunya, G., Landesmann, M., & Podkaminer, L. (2015). How to Stabilise the Economy of Ukraine. The Vienna Institute for International Economic Studies (wiiw), April.

Ahmed, M. U., & Pulok, M. H. (2013). The role of political stability on economic performance: the case of Bangladesh. Journal of Economic Cooperation & Development, 34(3), 61.

Al Jazeera. (2012). Paraguay: Impeachment or political coup. Disponível em: < https://www.aljazeera.com/programmes/insidestoryamericas/2012/06/20126265451105780.html>.Acesso em: 07 março 2018.

Almeida, W., & Santana, H. L. (2014). Integração e democracia: Os interesses políticos locais que distorcem o direito internacional e a crise política resultante da suspensão do Paraguai do Mercosul.Revista de Informação Legislativa, v. 51, n. 203, p. 91-110, jul./set.

Badillo, M. J. (2007). Gobernando sin mayorías parlamentarias en América Latina. Opinião Pública, 13(1), 148-184.

BBC News. (2011). Entenda a crise na Tunísia. Disponível em: . Acesso em 17 de ago. 2016.

BBB News. (2012). Paraguai será único país na América Latina com recessão em 2012. Disponível em:< https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/11/121127_paraguai_recessao_dg>. Acesso em 17 dez 2018.

Bittencourt, A., & Vieira, C. (2016). “O efeito da Lava Jato no PIB se confirmou” diz Gesner Oliveira. Valor Econômico. Disponível em: http://www.valor.com.br/valor-investe/casa-das-caldeiras/4672327/o-efeito-da-lava-jato-no-pib-se-confirmou-diz-gesner-olivei>. Acesso em 13 de jun 2018.

Camara de Comercio e Industria Portuguesa. (2018). Ucrânia: Enquadramento Económico. Disponível em: . Acesso em 05 de jun. 2018.

Campos, L., & Canavezes, S. (2007). Introdução à Globalização. Instituto Bento Jesus Caraça: Abril.

Carmo, M. (2014). Paraguai descola do Brasil e tem 3° maior crescimento do mundo em 2013. Bbc News. Disponível em: < http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2014/01/140119_paraguai_econ omia_pai_mc>. Acesso em 09 março 2018.

Chasquetti, d. (2001), Democracia, Multipartidarismo y Coaliciones en América Latina: Evaluando la Difícil Combinación. in J. Lanzaro (org.), Tipos de Presidencialismo

Cheibub, J. A. (2002). Minority governments, deadlock situations, and the survival of presidential democracies. Comparative political studies, 35(3), 284-312.

Cervo, A. L., Bervian, P. A., & Silva, R. (2007). Metodologia científica. 6. ed. São Paulo, SP: Pearson Prentice Hall.

Chemingui, M. A., & Sánchez, M. V. (2011). The Republic of Tunisia. United Nations Department for Social and Economic Affairs.

Chomiak, L. (2014). The richness of Tunisia’s new politics. Disponível em: . Acesso 07 março de 2018.

Clark, G. (2008). Política econômica e Estado. Estudos avançados, 22(62), 207-217.

Coelho, B. D., & Oliveira J., (2016). A internacionalização de empresas na agenda governamental contemporânea de desenvolvimento: reflexões críticas e analíticas para os negócios internacionais. Cadernos EBAPE. BR, 14.

Costas, R. Escândalo da Petrobras engoliu 2,5% da economia de 2015. (2015) BBC Brasil. Disponível em: . Acesso em 26 ago. 2016.

Drazen, A. (2000). The political business cycle after 25 years. NBER macroeconomics annual, 15, 75-117.

Exame. (2015) Economia ucraniana se contrairá 12% este ano, indica BM. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Exame. (2016) A linha do tempo do impeachment de Dilma. Disponível em: . Acesso em 21 ago. 2016.

Felter, C., & Labrador, R. C. (2018). Brazil’s Corruption Fallout. Council on Forgein Relations. Disponível em: Acesso em 17 de jun 2018.

Fundo Monetário Internacional. (2016). Corruption: Costs and Mitigating Strategies. 2016. Disponível em: . Acesso em 26 ago, 2016.

Frizzera, G. (2013). A suspensão do Paraguai no MERCOSUL: problema interno, solução externa. Conjuntura Global, 2(3), p. 156-164.

Fronzaglia, M. L. (2011). Políticas Públicas Internacionais: o caso do Processo de Bolonha. 310 f. Tese (Doutorado em Ciências Políticas) – UNICAMP, Campinas, SP.

G1. (2013). Entenda a crise na Ucrânia. Disponível em: . Acesso em 17 ago. 2016.

G1. (2013). UNASUL anula suspensão do Paraguai. Disponível em: . Accesso em: 24 ago. 2016.

G1. (2016). Indústria recua 2,5%, a maior queda para fevereiro da série histórica. Disponível em: < http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/04/producao-da-industria-recua-25-em-fevereiro.html>. Acesso em: 10 jul 2018.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Ediitora Atlas SA.

Hinds, R. (2014). Conflict analysis of Tunisia. GSDRC, University of Birmingham.

Joffé, G. (2011). A Primavera Árabe no Norte da África: as origens e perspectivas de futuro. Relações Internacionais, n. 30, Lisboa jun.

Jornal el País. As razões da crise ucraniana. 2014. Disponível em:< https://brasil.elpais.com/brasil/2014/03/03/internacional/1393862263_932760.html.> Acesso em 17 dezembro 2018.

Köche, J. C. (2011). Fundamentos de metodologia científica: teoria da ciência e iniciação à pesquisa. Editora Vozes, Petrópolis.

Lins, H. N. (2013). Globalização, empresas transnacionais e Estado nacional: ensaio sobre questões candentes da atualidade considerando o setor agroalimentar e o Brasil.

Macedo, F., & Yoneya, F. (2016). Petrobras é o segundo maior escândalo de corrupção do mundo, aponta Transparência Internacional. Disponível em: . Acesso em: 9 março 2018.

Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2011). Metodologia científica. 6. ed., rev. ampl. São Paulo, SP: Atlas.

Mariano, K. P. (2007). Globalização, integração e o estado. Lua Nova, 123-168.

Ministério Das Relações Exteriores, Departamento De Promoção Comercial E Investimentos E Divisão De Inteligência Comercial. Guia de Negócios: Tunísia. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Ministério das Relações Exteriores, Departamento de Promoção Comercial e Investimentos e Divisão de Inteligência Comercial. Ucrânia: Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Ministério das Relações Exteriores, Departamento de Promoção Comercial e Investimentos e Divisão de Inteligência Comercial. Paraguai: Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Ministério das Relações Exteriores, Departamento de Promoção Comercial e Investimentos e Divisão de Inteligência Comercial. Brasil: Comércio Exterior. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Moura, D. F., Filipe, J. A., Ferreira, M. A. M., Coleho, M., &Pedro, I. (2011). An Analysis of the Political Risks Environment in American Developing Countries. Lisboa: International Journal of Academic Research, 3(4).

Negretto, G. L. (2004). Minority Presidents and types of government in Latin America. Centro de Investigación y Docencia Económicas.

Ó.G. (2015). Desemprego e terror corroem a Tunísia. EL PAÍS. Disponível em: Acesso em 18 de jun de 2018.

Pereira, A. K. B. (2015). Mudança Social e Instabilidade Política: uma leitura da obra de Samuel Huntigton. In.: III Semana de Ciência Política - Universidade Federal de São Carlos, São Paulo.

Pessanha, M. V. M. (2015). Crise institucional, desenvolvimento econômico e instabilidade política: como a corrupção enfraquece as instituições democráticas brasileiras. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Ramicone, A., Rocca, P., Gisser, S., & Metzger, J. (2014). The Ukrainian Crisis: A Disputed Past and Present. Harvard Policy Brief.

Segal, D. (2015). O escândalo da Petrobras e o sonho perdido dos brasileiros. Disponível em:< http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,escandalo-da-petrobras-deixa-brasileiros-lamentando-um-sonho-perdido,1741265>. Acesso: 09 março 2018.

Sírio, A. O. (2012). O Impeachment de Lugo: Uma mistura de interesses, oportunismo e valos discutíveis. Disponível:< https://pucminasconjuntura.wordpress.com/2012/09/28/o-impeachment-de-lugo-uma-mistura-de-interesses-oportunismo-e-valores-discutiveis/>. Conjuntura Internacional. PUC Minas. Acesso 09 março 2018.

Souza, A. L. C. F. (2009). Instabilidade política e quedas presidenciais na América do Sul: causas e consequências. Disponível em:< paperroom.ipsa.org/papers/paper_2290.pdf>. Congresso Mundial de Ciência Política – IPSA, Santiago, Chile. Acesso em: 09 março 2018.

The Heritage Foudation. (2016a) Index Economic Freedom. Tunísia. Disponível em: < https://www.heritage.org/index/country/tunisia>. Acesso em: 09 março 2018.

The Heritage Foudation. (2016b). Index Economic Freedom. Ukraine. Disponível Em: . Acesso em: 09 março 2018.

The Heritage Foudation. (2016c). Index Economic Freedom. Paraguay. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

The World Bank. (2012). Tunísia. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Torres, J. B. (2006). Oportunidades e riscos no comércio internacional para as empresas exportadores pernambucanas. 228 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Universidade Federal de Pernambuco, RE.

Valor Econômico. (2015). FMI: Corrupção e crise política afundaram recessão no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 09 março 2018.

Villaverde, J. O PT e o governo de Dilma em 2015. ESTADÃO. Disponível em: < https://economia.estadao.com.br/blogs/joao-villaverde/o-pt-e-o-governo-dilma-em-2015/>. Acesso em 10 jul 2018.

Verdugo, L. E. B., Furceri, D., & Guillaume, D. (2013). The Dynamic Effect of Social and Political Instability on Output: The Role of Reforms. International Monetary Fund. Disponível em: < https://www.imf.org/external/pubs/ft/wp/2013/wp1391.pdf >. Acesso em: 09 março 2018.

Vergara, S. C. (2016). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 16. ed. Rio de Janeiro: Atlas.

Weller, L. (2017). A Lava Jato e o tombo do investimento. Escola de Economia de São Paulo Fundação Getúlio Vargas. Disponível em: . Acesso em 06 de jun 2018.

World Bank Group. (2012). World Investment Trends and Corporate Perspectives the Political Risk Insurance Industr Breach of Contract. Washington: Multilateral Investment Guarantee Agency. Disponível em: < www.miga.org/sites/default/files/archive/.../WIPR13.pdf>. Acesso em 12 dez 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/internext.v14i1.445

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2018 Internext

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório:


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia