Feira de negócios internacionais: uma proposta de jogos de empresas vivenciais em aula

Cristiano Henrique Antonelli Da Veiga, Jesildo Moura De Lima, Lenir Basso Zanon

Resumo


O ensino mediado por jogos de empresas vivenciais em sala de aula oportunizam o aprimoramento do aprendizado do conteúdo científico bem como das questões da prática de preparação, negociação e fechamento de uma venda em comércio exterior. Esse trabalho foi realizado com o uso da metodologia da pesquisa-ação e descrito como estudo de caso de uma proposta didática de jogo de empresas do tipo vivencial realizado em sala de aula com duas turmas da disciplina comércio exterior de uma universidade federal e outra turma da disciplina de internacionalização de empresas de uma faculdade particular cujo objetivo era verificar as relações de conhecimentos mobilizados pelos estudantes para a realização de uma simulação de uma feira de negócios internacionais. Como resultado geral observado, pode-se evidenciar que os estudantes conseguiram sistematizar as questões relacionadas à estratégia, negociação, definições de capacidades produtivas, marketing internacional, organização do ambiente para o evento e documentos necessários para a exportação dos pedidos, bem como a motivação dos estudantes para a realização da atividade e como limitações foram observadas a falta de conhecimento técnico dos produtos, da divulgação em uma segunda língua e da formação do preço em moeda estrangeira.

Palavras-chave


Ensino de Administração; Feira de negócios internacionais; Internacionalização de empresas

Texto completo:

PDF

Referências


AGGALWAL, R.; GOODELL, J. W. Scholarship of Teaching International Business: Challenges and Opportunities. Journal of Teaching in International Business, v. 22, n. 1, 2011. DOI: 10.1080/08975930.2011.585890

BRASIL. Ministério das Relações Exteriores. Divisão de Programas de Promoção Comercial. Exportação Passo a Passo / Ministério das Relações Exteriores. 2ª ed. – Brasília: MRE, 2007.

BRUM, T. M. M.; MOISEICHYK, A. E.; DA VEIGA, C. H. A. Critérios de desempenho dos países compradores baseado nas exportações brasileiras: uma proposta de análise. Revista de Administração da UFSM, v. 3, n. 01, 2010.

CARR, W.; KEMMIS, S. Teoría Crítica de la enseñanza. Barcelona: Martínez Roca, 1988.

COPELLO, M. I. et. al. Processo reflexive-crítico-dialógico en la práctica docente: de la construcción social em la comunidad de aprendizaje a la (re)construcción personal. In: GALIAZZI, M. C. et. al. Aprender em rede na educação em ciências. Ijuí: Ed. Unijuí: 2008.

DEAQUINO, Carlos Tasso Eira. Como aprender: andragogia e as habilidades de aprendizagem. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

ENGESTRÖM, Yrjö. Activity theory and individual and social transformation. In: ENGESTRÖM, Yrjö; MIETTINEN, Reijo; PUNAMÄKI, Raija-Leena (Eds.). Perspectives on activity theory. New York: Cambridge University Press, 1999.

FARIA, A. J.; HUTCHINSON, D.; WELLINGTON, W. J.; GOLD, S. Developments in business gaming: a review of the past 40 years. Simulation & Gaming, USA, v. 40, n. 4, 2008. DOI: 10.1177/1046878108327585

FARO, R.; FARO, F. Curso de comércio exterior: visão e experiência brasileira. São Paulo: Atlas, 2007.

KOPITTKE, B. H. Jogos de empresa: novos desenvolvimentos. 1992. Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1992.

LOPES, P. C. Formação de administradores: uma abordagem estrutural e técnico-didática. 2001. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2001.

MACKE, J. A pesquisa-ação como estratégia de pesquisa participativa. In: GODOI, Christiane Kleinübing; BANDEIRA-DE-MELO, Rodrigo; SILVA, Anielson Barbosa. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

MALDANER, O. A. A formação inicial e continuada de professores de química professor-pesquisador. 2 ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2003.

MARTINELLI, D. P. A utilização de jogos de empresas no ensino da Administração. 1987. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1987.

MELLO, R. C.; ROCHA, A. Costanza Bastos. Revista de Administração Contemporânea, v.12, n.1, 2008. DOI: 10.1590/S1415-65552008000100011

MORIN, A. Pesquisa-ação integral e sistêmica: uma antropopedagogia renovada. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

ROGERS, J. Aprendizagem de adultos: fundamentos para educação corporativa. 5ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

SAUAIA, A. C. A. ; CERVI, M. L. . Atividades centradas no participante em curso expositivo de Estatística: os alunos como agentes na aprendizagem. In: XIV SIMPEP - Simpósio de Engenharia de Produção, 2007, Bauru, SP. Anais do XIV SIMPEP da UNESP. Bauru - SP, 2007. p. 1-12.

SAUAIA, A. C. A.; HAZOFF Jr., W. Transformando uma aula expositiva em aprendizagem centrada no participante: um estudo em Administração. In: VI Congresso Virtual Brasileiro em Administração, 2009, São Paulo, SP. Anais do VI CONVIBRA, 2009. p. 1-15. Disponível em http://www.convibra.com.br/2009/artigos/234_0.pdf. Acesso em 20/12/2010.

SAUAIA, A. C. A. Satisfação e aprendizagem em jogos de empresas: contribuições para aprendizagem gerencial. 1995. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995.

_____. Laboratório de gestão: educação vivencial com pesquisa aplicada. In: IX Congresso Virtual Brasileiro de Administração. 2012. Anais... 9 Convibra Administração, 2012. Disponível em < http://www.convibra.com.br/upload/paper/2012/31/2012_31_5311.pdf > Acesso em 05 Jan. 2013.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SILVA, Cláudio Ferreira da. Feiras e exposições internacionais. In.: SILVA, Cláudio Ferreira da. Promoção Comercial nas Exportações. São Paulo: Aduaneiras, p.25-35, 2005.

STENHOUSE, L. La investigación como base de la enseñanza. 2ª ed. Madrid: Ediciones Morata, 1993.

TANABE, M. Jogos de Empresas, São Paulo, FEA-USP, Dissertação de Mestrado, 1977.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 12ª ed. São Paulo: Cortez, 2003.

VALENTE, N. T. Z.; et. al. Estilos de aprendizagem dos alunos e professores de graduação em Administração de uma universidade pública do estado do Paraná: aplicação do inventário de David Kolb. Anais do Congresso Virtual Brasileiro de Administração, 2007.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 10 ed. São Paulo: Atlas, 2009.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.83127-144

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: