Processo de internacionalização de uma empresa do Vale do São Francisco: influência dos agentes externos e das escolhas gerenciais

Elis Magalhães Freitas, Merlise Rupolo, Brigitte Renata Bezerra de Oliveira

Resumo


Este trabalho tem como principal objetivo analisar as principais características do processo de formação de estratégias internacionais de uma empresa no segmento de fruticultura do Vale do São Francisco (VSF), considerando a influência dos agentes externos e das escolhas gerencias. É apresentada, primeiramente, uma breve contextualização do cenário da fruticultura no Brasil e na região do VSF; na fundamentação teórica são apresentados os conceitos de estratégias e em seguida define-se internacionalização, à luz de teorias utilizadas como base para a análise, sendo estas: a Teoria de Uppsala, o Modelo Diamante, Resource-Based View (RBV), Ciclo de Vida do Produto, Paradigma Eclético e Escolha Adaptativa. O segmento empírico da pesquisa é desenvolvido por meio de um estudo exploratório, envolvendo dirigentes da empresa, mediante aplicação de entrevistas semiestruturadas. A análise dos dados deu-se mediante o uso do software Atlas.ti 6.0.  Evidenciam-se as associações entre os modelos de internacionalização e o modo o qual as dimensões de análise são reforçados mutuamente.


Palavras-chave


Internacionalização; Fruticultura; Vale do São Francisco; Agentes Externos; Escolhas Gerenciais

Referências


ANDERSEN, O. On the internationalization process of firms: A critical analysis. Journal of International Business Studies, v. 24, n. 2, 1993.

BARNEY, Jay B.; HESTERLY, William S. Administração estratégica e vantagem competitiva. Tradução Monica Rosemberg: Revisão técnica Pedro Zanni. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2007.

BLANK, M.C. y MAUCH, PALMEIRA, E.: Internacionalização de micro e pequenas empresas - uma visão crítica quanto a eficiência dos incentivos do governo en Observatorio de la Economía Latinoamericana, Número 71, 2006. Disponível em: http://www.eumed.net/cursecon/ecolat/br/ . Acesso em: 22 dez 2009.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Indicadores e estatísticas. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/ . Acesso em: 19 de maio 2012.

BUSTAMANTE, Paula Margarita Andrea Caris. A Fruticultura no Brasil e no Vale do São Francisco: Vantagens e Desafios. Revista Econômica do Nordeste. Volume 40, número 01. Janeiro-março, 2009.

CAMPIÃO, Gilberto. Internacionalizar-se não é só exportar. 2008. Disponível em: http://www.guialog.com.br/artigo/Y658.htm . Acesso em: 22 dez 2009.

CARNEIRO, Jorge; DIB, Luis Antônio. Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. INTERNEXT – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM. ISSN: 1980-4865. São Paulo, v. 2, n. 1, p. 1-25, jan./jun. 2007.

CASTOLDI, Agenor; Apontamentos de Macroeconomia. Texto 7. Ijuí: UNIJUÍ, 2006. Disponível em: http://www2.unijui.edu.br/~castoldi/admin/Indice%20e%20Apresentacao.pdf . Acesso em: 22 jun 2013.

COOPER, Donald R.; SCHINDLER, Pamela S. Métodos de pesquisa em administração. Trad. Luciana de Oliveira da Rocha. – 7 ed. – Porto Alegre: Bookman, 2003.

DALMORO, Marlon. Convergências Teóricas do Processo de Internacionalização da Empresa Como uma Atividade Empreendedora. Centro Universitário UNIVATES. Rio Grande do Sul, 2008.

DUNNING, J.H. The ecletic paradigm of international production: a restatment and some possible extensions. Journal of International Business Studies, vol.19, n. 1 p. 1-31, 1988.

HILAL, Adriana e HEMAIS, Carlos Alberto. Da Escola de Uppsala à Escola Nórdica de Negócios Internacionais: Uma Revisão Analítica, Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ. In: XX Encontro Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração - ENANPAD 2003, Campinas: Anais do ENANPAD 2001, 2001.

IBRAF - INSTITUTO BRASILEIRO DE FRUTAS. Disponível em: http://www.ibraf.org.br . Acesso em 19 dez 2009.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm - Four Swedish cases. The Journal of Management Studies, 1975.

______; VAHLNE, Jan-Erik. The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing foreign markets commitments. Journal of International Business Studies, Spring, 1977.

KOVACS, Erica Piros. O processo de internacionalização de empresas do Nordeste: proposição de um framework. Dissertação de Doutorado em Administração, Programa de Pós-Graduação em Administração – PROAD. Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Recife, 2009.

LAM, Long W; WHITE, Louis P. An adaptative choice model of the internationalization process. International Journal of Organizational Analysis. v.7, n.2 (April); 1999. DOI 10.1108/eb028896

MACHADO, Luiz. Globalização: Internacionalização das empresas. Disponível em: http://www.cofecon.org.br/index.php?Itemid=114&id=1221&option=com_content&task=view Acesso em 16 nov 2009.

MAGALHÃES, Luiz Jésus d’Ávila. Comércio Internacional, Brasil e Agronegócio. Embrapa Informação Tecnológica: Brasília, DF. 2003.

MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Disponível em: www.agricultura.gov.br. Acesso: 17.abr.2013.

MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Disponível em: www.desenvolvimento.gov.br. Acesso em: 17.abr.2013.

MINTZBERG, Henry. The Strategy Concept: five Ps for Strategy. California Management Review, v.30 n.1 p. 11 Fall 1987.

______. QUINN, Brian James, VOYER, John. The Strategy Proces – Collegiate Edition. Ed. Prentice Hall, New Jersey, 1995.

______. “A Criação Artesanal Da Estratégia” In: MONTGOMERY, C.; PORTER, M. Estratégia: a Busca da Vantagem Competitiva. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus, p.419-437, 1998.

______; AHLSTRAND, Bruce; LAMPEL, Joseph. Safári de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. Porto Alegre: Bookman, 2000.

MÜHR, Thomas. Atlas/ti – a prototype for the support of text interpretation. Qualitative Sociology, vol.14, n.4, 1991.

PORTER, Michael. Competição. Estratégias Competitivas Essenciais. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

______. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 2.ed. Rio de Janeiro: Campus, 2004.

ROCHA, Angela da. A Internacionalização das Empresas Brasileiras: Estudos de Gestão Internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

RUGMAN, A. M. Theoretical aspects of MNEs from emerging economies. In: RAMAMURTI, R; SINGH, J. (org.). Emerging multinationals in emerging markets. United Kingdom: Cambidge University Press, 2009.

SECEX. Secretaria de Comércio Exterior. Disponível em: http://infosecex.desenvolvimento.gov.br/noticia/exibe/id/109/inf/25 . Acesso em 19 de Novembro de 2009.

SHARMA, Varinder M.; ERRAMILLI, M. Krishna. Resource-based explanation of entry mode choice. Journal of Marketing Theory and Practice. v. 12. n. 1. winter 2004. p. 1-18.

SILVA, Pedro Carlos Gama da. Articulação dos Interesses Públicos e Privados no Pólo Petrolina- Pe/Juazeiro-Ba: Em busca de espaço no mercado localizado de frutas frescas, 2001. (tese de Doutorado) Universidade Estadual de Campinas Instituto de Economia, 2001.

SOARES, Ednaldo. Internacionalização de Empresas Brasileiras: As Estratégias para a Conquista de Novos Mercados. Acesso em 2009.

TAVARES, Fred. O conceito da Estratégia Empresarial. Disponível em: http://www.portaldomarketing.com.br/Artigos/Conceito_da_estrategia_empresarial.htm . Acesso em 21 dez 2009.

VERNON, Raymond. International Investment and International Trade In the Product Cycle. Quarterly Journal of Economics, May 1966.

______. The product cycle hypothesis in a new international environment. Oxford Bulletin of Economics and Statistics, 41 (4), pag. 255-267. 1979.

YIN, Robert K. Estudo de caso: Planejamento e métodos. 3 ed. – Porto Alegre: Bookman, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.9140-60