Análise do processo de internacionalização da IBQ Britanite sob a ótica da abordagem comportamental

Fábio Dal-Soto, Juliano Nunes Alves, Aniéli Ebling Bulé

Resumo


O processo de internacionalização de empresas tem se processado de diversas formas e em diferentes contextos. Dentre os modelos que orientam e explicam os movimentos realizados pelas empresas em direção ao mercado internacional, este estudo centra-se na perspectiva comportamental das teorias de internacionalização. O objetivo principal deste trabalho é analisar, à luz dos pressupostos teóricos da abordagem comportamental, o processo de internacionalização da IBQ Britanite, líder no mercado brasileiro de explosivos civis e na prestação de serviços em desmonte de rochas. Logo, o estudo caracteriza-se pelo viés qualitativo, realizado por meio de um estudo de caso único que responde a cinco questões básicas do processo de internacionalização: por que, o que, quando, onde e como as empresas internacionalizam suas atividades. Os resultados mostram que o processo de internacionalização da IBQ Britanite partiu de vantagens obtidas no mercado doméstico e de restrições de crescimento nesse mercado. Ao longo de sua trajetória internacional, a empresa avançou gradualmente na atividade exportadora e também para estágios de maior comprometimento com o mercado externo através de joint-ventures e subsidiária de produção

Palavras-chave


Processo de internacionalização; Abordagem comportamental de internacionalização; Internacionalização de empresas brasileiras

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSEN, O.; BUVIK, A. Firm’s internationalization and alternative approaches to the international customer/market selection. International Business Review, v. 11, p. 347-363, 2002. DOI: 10.1016/S0969-5931(01)00064-6

ANDERSSON, S. The internationalization of the firm from an entrepreneurial perspective. International Studies of Management and Organization, v. 30, n. 1, p. 65-94, 2000.

BARNEY, J. B. Firm resource and sustained competitive advantage. Journal of Management, v. 17, n. 1, pp. 99-119, 1991.

BERNARDES, S.P. Exportação ou investimento direto? Lições da Espanha. In: AMATUCCI, M. (Org.). Internacionalização de Empresas: teorias, problemas e casos. São Paulo: Atlas, 2009.

BUCKLEY, P.; CASSON, M. Analyzing foreign market entry strategies: extending the internalization approach. Journal of International Business Studies, v. 29, n. 3, p. 539-562, 1998.

CARNEIRO, J.; DIB, L. A. Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. INTERNEXT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, v. 2, n. 1, p. 1-25, 2007.

CAVUSGIL, S.T. On the internationalization process of firms. European Research, v. 8, n. 6, p. 273-281, 1980.

CAVUSGIL, S.T.; KARDES, I. A. Brazil: rapid development, internationalization, and middle class formation. INTERNEXT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, v. 8, n. 1, p. 1-16, 2013.

CAVUSGIL, S.T.; KNIGHT, G.; RIESENBERGER, J.R. Negócios Internacionais: estratégia, gestão e novas realidades. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

CYRINO, A.B.; BARCELLOS, E.P. Estratégias de internacionalização: evidências e reflexões sobre as empresas brasileiras. In: TANURE, B.; DUARTE, R.G. Gestão Internacional. (Orgs.). São Paulo: Saraiva: 2006.

CYRINO, A.B.; OLIVEIRA, M. de M., Jr.; BARCELLOS, E.P. Evidências sobre a internacionalização de empresas brasileiras. In: OLIVEIRA, M. de M., Jr., et al. Multinacionais Brasileiras: internacionalização, inovação e estratégia global. Porto Alegre: Bookman, 2010.

DUNNING, J. Toward an eclectic theory of international production: some empirical tests. Journal of International Business Studies, v. 11, n. 1, p. 9-31, 1980.

EISENHARDT, K.M. Building theories from case study research. Academy of Management Review, v. 14, n. 4, p. 532-550, 1989.

FERREIRA, G.F.; OLIVEIRA, M. de M., Jr.; GIÃO, P.R. Estratégia e ferramentas para o compartilhamento de melhores práticas na Gerdau. In: OLIVEIRA, M. de M., Jr. et al. Multinacionais Brasileiras: internacionalização, inovação e estratégia global. Porto Alegre: Bookman, 2010.

FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. Apresentação. In: FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. (Orgs.). Internacionalização e os Países Emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. A evolução dos sistemas de produção globais e o surgimento das EMNs brasileiras. In: RAMSEY, J.; ALMEIDA, A. (Orgs.). A Ascensão das Multinacionais Brasileiras: o grande salto de pesos-pesados regionais a verdadeiras multinacionais. Belo Horizonte: Fundação Dom Cabral, 2009.

GRINGS, R.; RHODEN, M.I dos S. Empresas, mercados externos e as diferentes faces da mesma moeda: abordagem teórica da internacionalização nas organizações. In: Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-graduação em Administração, 29., 2005, Brasília. Anais... Brasília: ANPAD, 2005.

HEMAIS, C.A.; HILAL, A. O processo de internacionalização da firma segundo a escola nórdica. In: ROCHA, A.da (Org.). A Internacionalização das Empresas Brasileiras: estudos de gestão internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

HEMAIS, C.A.; HILAL, A. Teorias, paradigma e tendências em negócios internacionais: de Hymer ao empreendedorismo. In: HEMAIS, C.A. (Org.). O Desafio dos Mercados Externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Vol. 1. Rio de Janeiro: Mauad, 2004.

HRDLICKA, H. et al. Internacionalização de uma empresa familiar na área de eletromedicina: Fanem. In: VASCONCELLOS, E. (Coord.). Internacionalização, Estratégia e Estrutura: o que podemos aprender com o sucesso da Alpargatas, Azaléia, Fanem, Odebrecht, Voith e Volkswagen. São Paulo: Atlas, 2008.

HYMER, S. The internationalization of capital. Journal of Economic Issues, v. 6, n. 1, p. 91-111, 1972.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. The internationalization process of the firm – A model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, v. 8, n. 1, p. 23-32, 1977. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.8490676

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. The mechanism of internationalism. International Marketing Review, v. 7, n. 4, p. 11-24, 1990. DOI: 10.1108/02651339010137414

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreignness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, v. 40, p. 1411-1431, 2009. DOI: 10.1057/jibs.2009.24

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies, v. 12, n. 3, p. 305-322, 1975. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x

MARSHALL, M. N. The key informant technique. Family Practice, v. 13, n. 1, p. 92-97, 1996. DOI: 10.1093/fampra/13.1.92

NEUMANN, R.W.; HEMAIS, C.A. Produção internacional e comportamento organizacional no processo de internacionalização: podem as teorias explicar o comércio internacional? In: HEMAIS, C.A. (Org.). O Desafio dos Mercados Externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Vol. 2. Rio de Janeiro: Mauad, 2005.

OLIVEIRA, B.R.B.; MORAES, W.F.A.; KOVACS, E.P. A formação de estratégias internacionais de empresas. In: OLIVEIRA, M. de M., Jr., et al. Multinacionais Brasileiras: internacionalização, inovação e estratégia global. Porto Alegre: Bookman, 2010.

PENG, M.W. Estratégia Global. São Paulo: Thomson Learning, 2008.

PENROSE, E. The theory of the growth of the firm. New York: Wiley, 1959.

ROCHA, A. da. Por que as empresas brasileiras não se internacionalizam? In: ROCHA, A. da (Org.). As Novas Fronteiras: a multinacionalização das empresas brasileiras. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

ROCHA, A. da; ALMEIDA, V. Estratégias de entrada e de operação em mercados internacionais. In: TANURE, B.; DUARTE, R.G. Gestão Internacional. (Orgs.). São Paulo: Saraiva: 2006.

ROCHA, A. da; ARKADER, R. Internacionalização e escolhas estratégicas na indústria de autopeças. In: ROCHA, A. da (Org.). A Internacionalização das Empresas Brasileiras: estudos de gestão internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

ROCHA, A.; SILVA, J.F.da; CARNEIRO, J. Expansão internacional das empresas brasileiras: revisão e síntese. In: FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. (Orgs.). Internacionalização e os Países Emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

SACRAMENTO, I.; ALMEIDA, V.C.de; SILVA, M.S.M. Aspectos internos no processo de internacionalização de empresas brasileiras prestadoras de serviços de informação. In: ROCHA, A.da (Org.). A Internacionalização das Empresas Brasileiras: estudos de gestão internacional. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

TANURE, B.; CYRINO, Á.B.; PENIDO, É. Estratégias de internacionalização: evidências e reflexões sobre as empresas brasileiras. In: FLEURY, A.; FLEURY, M.T.L. (Orgs.). Internacionalização e os Países Emergentes. São Paulo: Atlas, 2007.

TAYLOR, S. J.; BOGDAN, R. Quality of life and the individual’s perspective. In: SCHALOCK, R. L. (Ed.). Quality of Live: perspectives and issues. Washington, DC: American Association of Mental Retardation. p. 27-40, 1990.

VERNON, R. International investment and international trade in the product cycle. Quarterly Journal of Economics, v. 80, n. 2, p. 190-207, 1966.

WELCH, L.S.; LUOSTARINEN, R. Internationalization: evolution of a concept. Journal of General Management, v. 14, n. 2, p. 34-64, 1988.

YIN, R.K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

YIP, G.S.; BISCARRI, J.G.; MONTI, J.A. The role of the internationalization process in the performance of newly internationalizing firms. Journal of International Marketing, v. 8, n. 3, p. 10-35, 2000.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.8381-102

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: