O perfil do gestor universitário de cooperação internacional no Brasil

Fernanda Geremias Leal, Rafaela Ribeiro Céspedes, Luciane Stallivieri

Resumo


O conceito de internacionalização tem sido utilizado na educação superior como medida de qualidade e como recurso para que as universidades respondam aos desafios de um contexto global complexo. A despeito do discurso dominante de que esse processo tem transformado as estruturas universitárias, são raros os estudos que tratam da gestão da internacionalização no domínio das instituições acadêmicas e, sobretudo, dos gestores universitários de cooperação internacional. Este artigo visa a contribuir com o início dessa discussão no Brasil e se propõe a diagnosticar o perfil dos gestores de cooperação internacional das universidades públicas federais brasileiras. O recorte abrangeu 46 universidades vinculadas à Associação Brasileira de Educação Internacional (Faubai). Desenvolveu-se uma pesquisa documental nos sítios dos setores de relações internacionais dessas instituições e nos currículos Lattes de seus gestores. Os resultados apontaram para aspectos positivos como o posicionamento dos setores nas estruturas universitárias e a experiência dos atuais gestores com atividades internacionais. Também indicaram problemas como constantes mudanças na função; acúmulo de cargos e funções; formação em áreas não relacionadas à internacionalização e falta de participação em capacitações condizentes com suas atribuições. No geral, o quadro evidenciado sugere a necessidade de investimentos nessas universidades para que a internacionalização institucional ocorra em perspectiva mais ativa.


Palavras-chave


Internacionalização; Cooperação Internacional; Educação Superior; Gestão Universitária; Competências.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


 Altbach, P. & Knight, J. (2007). The internationalization of higher education: motivations and realities. Journal of studies in international education, 11(3/4), 290-305.

 Altbach, P. & De Wit, H. (2015). Internationalization and global tensions: lessons from history. Journal of studies in international education, 19(1), 4-10.

 Capes. (2014). Tabela de áreas do conhecimento/avaliação. Disponível em: . Acesso em: 29 jan 2016.

 Castro, R., Rosa, M. J. & Pinho, C. (2015). A model for stakeholders’ influence on internationalization: a contribution from the Portuguese, Brazilian, and Dutch cases. Journal of studies in international education, 19(2), 160-181.

 CsF. (2016). O que é?. Disponível em: . Acesso em: 29 jan 2016.

 CsF. (2016a). Coordenadores institucionais: papel no programa. Disponível em: . Acesso em: 29 jan 2016.

 Childress, L. (2009). Internationalization Plans for Higher Education Institutions. Journal of Studies in International Education. 13(3), 289-309.

 Childress, L. (2010). The twenty-first century university: developing faculty engagement in internationalization. New York: Peter Lang.

 De Wit, H. (2011). Trends, issues and challenges in internationalisation of higher education. Amsterdam: Hogeschool van Amsterdam.

 Ewert, S. (2012). Higher Education Cooperation and Networks in the Baltic Sea Region: A Basis for Regionalization and Region Building? Journal of Baltic Studies, 43(1), 95–116.

 Faubai. (2016). Instituições associadas. Disponível em: . Acesso em: jan 2016.

 Hudzik, J. (2011). Comprehensive internationalization: from concept to action. New York: Nafsa.

 Gacel, J. & Ávila. (2008). Universidades latinoamericanas frente al reto de la internacionalización. Casa del Tiempo, jul, 2-8.

 Gacel-Ávila, J. (2012). Comprehensive internationalisation in Latin America. Higher education policy, 25, 493-510.

 Gao, Y. (2014). Toward a set of internationally applicable indicators for measuring university internationalization performance. Journal of studies in international education, 1-19.

 Knight, J. (2004). Internationalization remodeled: definition, approaches, and rationales. Journal of studies in international education, 5-31.

 Knight, J. (2015). International universities: misunderstandings and emerging models? Journal of Studies in International Education, 1–15.

 Leite, I. (2012). Cooperação sul-sul: conceito, história e marcos interpretativos. Observatório político sul-americano, 7(3), 1-40.

 Lima, M. & Contel, F. (2011). Internacionalização da educação superior: nações ativas, nações passivas e a geopolítica do conhecimento. São Paulo: Alameda.

 MEC. (2015). Orientações para utilização dos recursos de apoio à Internacionalização das IFES: ação orçamentária 8282 – Subação SS29 PDU Internacionalização. MEC.

 Muckenberger, E. & Miura, I. (2015). Motivações para a internacionalização do ensino superior: um estudo de casos múltiplos em um sistema de ensino superior confessional internacional. Arquivos analíticos de políticas educativas, 23(66), 1-26.

 Nafsa. (2015). Nafsa International Education Professional Competencies. Washington: Nafsa.

 Reitz, T. (2017). Academic hierarchies in neo-feudal capitalism: how status competition processes trust and facilitates the appropriation of knowledge. Higher education, 1-16.

 Said, H. et. al. (2015). Role of campus leadership in managing change and challenges of internationalization of higher education. Mediterranean journal of social sciences, 6(4), july.

 Seeber, M. et. al. (2016). Why do higher education institutions internationalize? An investigation of the multilevel determinants of internationalization rationales. Higher education, 1-18.

 Sinter. (2016). Regimento interno. Disponível em: . Acesso em: 29 jan 2016.

 Stafford, S. & Taylor, J. (2016). Transnational education as an internationalisation strategy: meeting the institutional management challenges. Journal of higher education policy and management, 38(6), 625-632.

 Unesco Brasil. (2003). Educação superior: reforma, mudança e internacionalização. Anais. Brasília: Unesco Brasil, Sesu/MEC.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.1221-16

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2017 Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: