Effectuation e a influência das redes sociais em internacionalização de startups em aceleradoras

Carolaine Fabricia Bonk Sarmento, Carlos Augusto Septimio de Carvalho, Luis Antonio da Rocha Dib

Resumo


Aceleradoras recentemente se tornaram uma alternativa mais atuante do que as incubadoras como um mecanismo de apoio e desenvolvimento de startups de base tecnológica, inclusive em sua internacionalização. Ao mesmo tempo, redes sociais possibilitam e aumentam a velocidade do processo de internacionalização de pequenas firmas por meio da obtenção de recursos de terceiros e de conhecimento de mercado. Neste contexto, o objetivo desta pesquisa foi a busca de uma maior compreensão sobre como as aceleradoras agilizam o processo de internacionalização das startups nelas incubadas. Foi realizado um estudo de caso único em profundidade de uma startup de internet. A análise do processo de internacionalização da empresa teve como base teórica a abordagem do empreendedorismo internacional e a teoria de effectuation. Os resultados indicaram que a startup se beneficiou de recursos e conhecimentos obtidos por meio da aceleradora, os quais seriam comumente obtidos por meio de uma rede social. Além disso, a aceleradora, substituindo a rede social informal de maneira formal e estruturada, foi capaz de aumentar a velocidade de internacionalização da firma. A principal contribuição deste artigo é a de iluminar mais detalhadamente a conexão entre os princípios teóricos da effectuation e o uso de redes sociais na internacionacionalização de pequenas firmas.


Palavras-chave


Empreendedorismo internacional; Redes sociais; Effectuation; Aceleradoras; Indústria musical

Referências


AGUILHAR, L. (2014) Aceleradoras de startups ganham força no Brasil, mas precisam provar eficiência. Estadão, Disponível em: . Acesso em: 4 out. 2014.

APEX-BRASIL. (2015) Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2015.

BELL, J. et al. (2003) Towards an integrative model of small firm internationalisation. Journal of International Entrepreneurship, 1 (4), p. 339-362. DOI: 10.1023/A:1025629424041

BURT, R. S. (1992) Structural holes: the social structure of competition. Cambridge, MA: Harvard University Press.

BURT, R. S. (1997) The contingent value of social capital. Administrative Science Quarterly, 42 (2), p. 339-365. DOI: 10.2307/2393923

CARNEIRO, J.; DIB, L. (2007) Avaliação comparativa do escopo descritivo e explanatório dos principais modelos de internacionalização de empresas. INTERNEXT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 2 (1), p. 1-25.

COVIELLO, N. E.; COX, M. P. (2006) The resource dynamics of international new venture networks. Journal of International Entrepreneurship, 4 (2/3), p. 113-132. DOI: 10.1007/s10843-007-0004-4

DORNELAS, J. (2014) Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. Rio de Janeiro: Empreende / LTC.

ENGELMAN, R.; FRACASSO, E. M. (2013) Contribuição das incubadoras tecnológicas na internacionalização das empresas incubadas. Revista de Administração, 48 (1), p. 165-178. DOI: 10.5700/rausp1080

ENGELMAN, R.; ZEN, A. C.; FRACASSO, E. M. (2015) The impact of the incubator on the internationalization of firms. Journal of Technology Management & Innovation, 10 (1), p. 29-39. DOI: 10.4067/S0718-27242015000100003

EVANGELISTA, F. (2005) Qualitative insights into the international new venture creation process. Journal of International Entrepreneurship, 3 (3), p. 179-198. DOI: 10.1007/s10843-005-4204-5

GRANOVETTER, M. (1973) The strength of weak ties. American Journal of Sociology, 78 (6), p. 1360-1380.

HOFFMAN, D. L.; KELLEY, N. R. (2012) Analysis of accelerator companies: an exploratory case study of their programs, processes, and early results. Small Business Institute Journal, 8 (2), p. 54-70.

JOHANSON, J.; MATTSSON, L.-G. (1988) Internationalization in industrial systems: a network approach. In: HOOD, N.; VAHLNE, J. (Ed.). Strategies in global competition. New York: Croom Helm, p. 287-314.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J.-E. The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, v. 8, n. 1, p. 25-34, 1977. doi:10.1057/palgrave.jibs.8490676

JONES, M. V.; COVIELLO, N.; TANG, Y. K. (2011) International entrepreneurship research (1989–2009): a domain ontology and thematic analysis. Journal of Business Venturing, 26 (6), p. 632-659. DOI:10.1016/j.jbusvent.2011.04.001

LAGEMANN, G. V.; LOIOLA, E. (2013) Redes sociais informais e desempenho de empresas incubadas. Revista de Ciências da Administração, 1 (1), p. 22-36. DOI: 10.5007/2175-8077.2013v15n37p22

MICROSOFT VENTURES. (2014) Accelerators. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2014.

MATTA, J. R. N.; MELLO, R. D. C. (2014) A internacionalização de uma empresa brasileira de software de segurança à luz das teorias de redes e effectuation, InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, 9 (3), p. 78-94.

MCADAM, M.; MARLOW, S. (2007) Building futures or stealing secrets? Entrepreneurial cooperation and conflict within business incubators. International Small Business Journal, 25 (4), p. 361-382. DOI: 10.1177/0266242607078563

MILES, M.; HUBERMAN, A. (1994) Qualitative data analysis: an expanded sourcebook. Thousand Oaks: Sage.

OVIATT, B. M.; MCDOUGALL, P. (1994) Toward a theory of international new ventures. Journal of International Business Studies, 25 (1), p. 45-64. DOI:10.1057/palgrave.jibs.8490193

OVIATT, B. M.; MCDOUGALL, P. (2005) Defining international entrepreneurship and modeling the speed of internationalization. Entrepreneurship Theory and Practice, 29 (5), p. 537-554. DOI:10.1111/j.1540-6520.2005.00097.x

SARASVATHY, S. D. (2008) Effectuation: Elements of entrepreneurial expertise. Cheltenham, UK: Edward Elgar.

SARASVATHY, S. D. et al. (2014) An effectual approach to international entrepreneurship: overlaps, challenges, and provocative possibilities. Entrepreneurship Theory and Practice, 38 (1), p. 71-93. DOI: 10.1111/etap.12088

STYLES, C.; GENUA, T. (2008) The rapid internationalization of high technology firms created through the commercialization of academic research. Journal of World Business, 43 (2), p. 146-157. DOI:10.1016/j.jwb.2007.11.011

YIN, R. K. (2001) Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.11163-76

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2016 Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM



INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório:


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia