Governança corporativa e internacionalização do capital social das companhias brasileiras do setor de construção e transportes

Anna Beatriz Grangeiro Ribeiro Maia, Alessandra Carvalho de Vasconcelos, Márcia Martins Mendes De Luca

Resumo


O estudo tem o objetivo de analisar comparativamente a representatividade do capital estrangeiro no capital social das empresas do setor de construção e transportes, considerando os segmentos de listagem na BM&FBovespa. A internacionalização das 66 empresas da amostra foi mensurada a partir do percentual do capital social em posse de investidores estrangeiros, e a governança a partir da participação da empresa nos segmentos diferenciados de governança corporativa (NDGC) da BM&FBovespa. Utilizando-se de estudo exploratório-descritivo, de natureza quantitativa, os resultados da aplicação do teste de Mann-Whitney para os percentuais de capital estrangeiro no capital social das empresas dos NDGC e das companhias do mercado tradicional apontaram a existência de diferenças estatisticamente significantes entre os dois grupos de empresas, confirmando a hipótese da pesquisa. Conclui-se que a governança representa um sinalizador da internacionalização do capital social das companhias, corroborando a eficiência da administração baseada na teoria dos custos de transação.

Palavras-chave


Governança Corporativa; Internacionalização; Capital social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUJA, C. D.; GARCIA, F. G.; MOREIRAS, L. M. F.; TAMBOSI FILHO, E. Onde investir nos BRICs? Uma análise sob o prisma da organização industrial. Revista de Administração de Empresas - RAE, São Paulo, v. 51, n. 4, p. 349-369, 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902011000400004.

ALMEIDA, J. E. F., LIMA, G. A., & LIMA, I. S. Corporate governance and ADR effects on earnings quality in the Brazilian capital markets. Corporate Ownership & Control, v. 7, n. 1, p. 55-72, 2009.

AMARAL, H. F.; MOREIRA, B. C. DE M.; GRUBERGER, D. J.; IGUIAPAZA, R. A. Qualidade da governança corporativa das empresas na Bovespa e internacionalização: evolução 2002-2005. Congresso do Instituto Franco-Brasileiro de Administração de Empresas – IFBAE, 4, Porto Alegre, 2007. Anais... Porto Alegre: IFBAE, 2007.

ANDRADE, G. A. R. Estudo econométrico dos efeitos da migração para OIGC: índice de ações com governança corporativa diferenciada da Bovespa. Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 39-53, jan./jun. 2008.

BECHT, M.; BOLTON, P.; RÖELL, A. Corporate governance and control. Finance Working Paper, European Corporate Governance Institute, n. 2, 2002. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2011.

BM&FBOVESPA – Bolsa de Mercadorias & Futuros de Estado de São Paulo. Empresas: estatísticas. 5. ed., ano 1, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2011.

CAMARGOS, M. A.; BARBOSA, F. V. A adoção de práticas diferenciadas de governança corporativa beneficia o acionista e aumenta a liquidez acionária? Evidências empíricas do mercado brasileiro. Revista de Gestão da USP - REGE, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 189-208, 2010.

COASE, R. The nature of the firm. Economica, v. 4, p. 386-405, 1937.

COLLIS, J.; HUSSEY, R. Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

CVM – Comissão de Valores Mobiliários. História do mercado de capitais do Brasil. Portal do investidor. Acadêmico. 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

ENGENHO. Engenho Editora Técnica Ltda. Crescimento do setor de construção tem impacto direto nas vendas de caminhões Iveco. 2013. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2013.

EXPORT MANAGER. Estratégias de internacionalização. São Paulo: Export Manager Business School, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

FERNANDES, N. A. C.; DIAS, W. O.; DA CUNHA, J. V. A. Governança corporativa no contexto brasileiro: um estudo do desempenho das companhias listadas nos níveis da BM&FBovespa. Revista Organizações em Contexto - ROC, v. 6, n. 11, p. 22-44, 2010.

FORTE, R. Indicadores da internacionalização das economias e das empresas. Faculdade de Economia, Economia Internacional, Universidade do Porto, 2011. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2011.

HAIR JR., J. F.; ANDERSON, R.; TATHAM, R.; BLACK, W. C. Multivariate data analysis. 6. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2006.

HONÓRIO, L. C. Determinantes organizacionais e estratégicos do grau de internacionalização de empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas - RAE, v. 49, n. 2, p. 162-175, 2009. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902009000200004.

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. Governança corporativa em empresas de controle familiar: casos de destaque no Brasil. São Paulo: Saint Paul Editora.

__________. Código de melhores práticas de governança corporativa. 4 ed. São Paulo: IBGC, 2009.

ITANI, A. F. Transportes, globalização e as questões da qualidade e produtividade. Revista dos Transportes Públicos, v. 8, n. 4, p. 19-31, 1995.

JONES, J. Transaction cost economics governance and control decisions. In: HOQUE, Z. Methodical issues in accounting research: theories and methods. 2 ed. London: Spiramus Press Ltd, 2010.

LOPES, J. R. A.; MARTINS, H. C. Adesão às práticas de governança corporativa e as alterações nos custos de capital de terceiros: um estudo das empresas listadas no "novo mercado" e “níveis diferenciados” da Bovespa. Revista de Administração FEAD-Minas, v. 4, p. 53-74, 2007.

MAROCO, J. Análise estatística: com utilização do SPSS. 3 ed. Lisboa: Sílabo, 2007.

MOTTA, J. L. S.; DA SILVEIRA, A. M.; BORGES, L. F. X. Exemplo de modelo referencial de governança corporativa. Revista do BNDES, v. 13, n. 26, p. 191-222, 2006.

MUSKIN, J. B. The physical distribution infrastrucutre. Transportation Quartely, v. 37, n. 1, p. 115-3, Jan. 1983.

NAKAYASU, G. N. O impacto do anúncio e da adesão das ações aos níveis diferenciados de governança corporativa no Brasil. São Paulo, 2006. 134 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

PEDRUZZI, P. Construção civil será o grande destaque da economia brasileira em 2012, prevê entidade do setor. Agência Brasil, 2011. Disponível em: . Acesso em: 07 mar. 2013.

RAMASWAMY, K.; KROECK, K. G.; RENFORTH, W. Measuring the degree of internationalization of a firm: a comment. Journal of International Business Studies, v. 27, n. 1, p. 167-177, 1996.

ROESCH, S. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudo de caos. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

SANTANA, M. H. The novo mercado. In: SANTANA, M. H.; ARARAT, M.; ALEXANDRU, P.; YURTOGLU, B. B.; CUNHA, M. R. Novo Mercado and its followers: case studies in corporate governance reform. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

SARTI, F.; LAPLANE, M. F. O investimento direto estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos anos 1990. Economia e Sociedade, Campinas, v. 11, n. 1, p. 63-94, 2002.

SILVA, E. C. Governança corporativa nas empresas: guia prático de orientação para acionistas, investidores, conselheiros de administração, executivos, gestores, analistas de mercado e pesquisadores. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SOUZA, F. C.; MURCIA, F. D.; MARCON, R. Bonding hypothesis: análise da relação entre disclosure, governança corporativa e internacionalização de companhias abertas no Brasil. Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 14, n. 2, p. 62-81, 2011.

STULZ, R. M. Globalization of equity markets and the cost of capital. Dice Center Working, n. 99-1, 1999. Disponível em: . Acesso em: 26 dez. 2011.

SULLIVAN, D. Measuring the degree of internationalization of a firm. Journal of International Business Studies, v. 25, n. 2, p. 325-342, 1994.

TREVISAN, L. Internacionalização de empresas brasileiras: uma aplicação do “modelo de Uppsala”. Revista Eletrônica de Gestão de Negócios – eGesta, v. 4, n. 2, p. 163, 2008.

TUROLLA, F. A. Internacionalização de empresas de infra-estrutura. Conjuntura da Infra-Estrutura, 4 ed., 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 dez. 2011.

VIEIRA, S. P.; MENDES, A. G. S. T. Governança corporativa: uma análise de sua evolução e impactos no mercado de capitais brasileiro. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 103-122, 2004.

WILLIAMSON, O. E. The economic institutions of capitalism: firms, markets, relational contracting. New York: New York Free Press, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.8240-60

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext

Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia

INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: