Investimento externo direto chinês no Brasil: motivações, desafios e perspectivas

Yanyi Wang, Marina Dias de Faria, José Luis Felicio Carvalho

Resumo


O objetivo da presente pesquisa foi estabelecido como identificar motivações apresentadas por empresas chinesas que realizam investimentos externos diretos no Brasil, bem como os desafios encontrados nesse processo e suas perspectivas futuras. Depois de uma revisão bibliográfica estruturada a partir dos temas do investimento externo direto e dos investimentos chineses na América Latina e no Brasil, conduziu-se um estudo empírico de base qualitativa a partir da consulta a informantes-chaves, abordagem metodológica que vem sendo utilizada em estudos de negócios internacionais que enfoquem a China ou que contem com gestores e/ou gerentes chineses como respondentes. Os procedimentos de coleta de dados envolveram entrevistas semi-estruturadas realizadas pessoalmente e por telefone, além de questionários contendo perguntas abertas, enquanto o tratamento dos dados seguiu o protocolo da análise de conteúdo clássica. Os resultados da etapa empírica da pesquisa ressaltam aspectos culturais e políticos que perpassam decisões estratégicas empresariais.

Palavras-chave


Investimento externo direto; Gestão internacional; Modelo chinês de internacionalização

Texto completo:

PDF

Referências


ACIOLY, L.; ALVES, M.; LEÃO, R. A internacionalização das empresas chinesas. Nota Técnica nº 1 / maio. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília: IPEA, 2009.

ALON, T. Institutional analysis and the determinants of Chinese FDI. Multinational Business Review, v. 18, n. 3, p. 1-24, 2010. DOI: 10.1108/1525383X201000013.

AZEVEDO, G. Brasil e China. GV-Executivo, v. 7, n. 5, p. 50-55, 2008.

BABONES, S. A structuralist perspective on economic growth in China and India: anticipating the end game. International Journal of Sociology and Social Policy, v. 32, n. 1/2, p. 29-41, 2012. DOI: 10.1108/01443331211201743.

BAUER, M. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 189-217.

BAUMANN, R.; CANUTO, O.; GONÇALVES, R. Economia internacional: teoria e experiência brasileira. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

BARBI, F.; BRITO, M. China na América Latina: Uma análise da perspectiva dos investimentos diretos estrangeiros. Textos para Discussão da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, v. 247, 2010.

BÁRCENA, A.; PRADO, A.; CIMOLI, M.; MALCHIK, S. O investimento estrangeiro direto na América Latina e Caribe. Nações Unidas: Cepal, 2009.

BECARD, D. O que esperar das relações Brasil-China? Revista de Sociologia e Política, v. 19, s.1, p. 31-44, novembro de 2011. DOI: 10.1590/S0104-44782011000400004.

BEVERLAND, M. Boundary conditions to business relationships in China: the case of selling wine in China. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 24, n.1, p.27-34, 2009. DOI: 10.1108/08858620910923676.

CAI, C.; CLACHER, I. Chinese investment goes global: the China Investment Corporation. Journal of Financial Regulation and Compliance, v. 17, n. 1, p. 9-15, 2009. DOI: 10.1108/13581980910934009.

CHANG, M. Exportações brasileiras para a China e o Japão: padrões de especialização e competitividade. Dissertação de Mestrado em Economia Aplicada apresentada à Escola Superior de Agricultura da Universidade de São Paulo. Orientadora: Heloisa Lee Burnquist. Piracicaba, 2012.

CHEVARRIA, D. Multinacionais brasileiras e investimento externo direto: uma revisão da pesquisa nacional. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 2, n. 2, p. 247-274, jul.-dez. 2007.

CHUEKE, G.; LIMA, M. Pesquisa qualitativa no campo de gestão internacional: será ela realmente qualitativa? In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃOE PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 35, 2011. Anais... Anpad: Rio de Janeiro, 2011.

CONCER, R.; TUROLLA, F.; MARGARIDO, M. Outward Brazilian foreign direct investment: impulses and responses. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 5, n. 1, p. 132-147, jan.-jun. 2010.

CRESWELL, J. W. Qualitative inquiry and research design: choosing among five traditions. Thousand Oaks: Sage Publications, 1998.

CUI, Y.; JIAO, H. Dynamic capabilities, strategic stakeholder alliances and sustainable competitive advantage: evidence from China. Corporate Governance, v. 11, n. 4, p. 386-398, 2011. DOI: 10.1108/14720701111159235.

CUNHA, A. A China e o Brasil na nova ordem internacional. Revista de Sociologia e Política, v. 19, s..1, p. 9-29, novembro de 2011. DOI: 10.1590/S0104-44782011000400003.

CUNHA, S.; XAVIER, C. Fluxos de investimento direto externo, competitividade e conteúdo tecnológico do comércio exterior da China no início do século XXI. Revista de Economia Política, v.30, n.3, p. 491-510, 2010. DOI: 10.1590/S0101-31572010000300008.

DONG, K.; LIU, Y. Cross-cultural management in China. Cross Cultural Management: An International Journal, v. 17, n.3, p. 223-243, 2010. DOI: 10.1108/13527601011068333.

DUNNING, J. Location and the multinational enterprise: a neglected factor? Journal of International Business Studies, v. 29, n.1, p. 45-66, 1998. DOI: 10.1057/jibs.2008.74.

________. Some antecedents of internationalization theory. Journal of International Business Studies, v. 34, p. 108-115, 2003. DOI: 10.1057/palgrave.jibs.

FERCHEN, M. As relações entre China e América Latina: impactos de curta ou longa duração? Revista de Sociologia e Política, v. 19, s.1, p. 105-130, novembro de 2011. DOI: 10.1590/S0104-44782011000400008.

FERNANDES, M. Negociação Brasil e China: seus principais aspectos culturais. Dissertação de Mestrado em Gestão Empresarial apresentada à Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas da Fundação Getulio Vargas. Orientador: Yan Duzert. Rio de Janeiro, 2008.

FLEURY, M.; FLEURY, A. Brasil e China. GV-Executivo, v. 5, n. 4, p. 70-74, 2006.

FOO, C. An emerging paradigm in confronting the rise of an innovative China. Chinese Management Studies, v. 5, n. 1, p. 10-19, 2011. DOI: 10.1108/17506141111118426.

GILBOY, G.; HEGINBOTHAM, E. The latin americanization of China? Current History, v. 103, p. 256-261, 2004.

HILAL, A.; HEMAIS, C. O processo de internacionalização na ótica da escola nórdica: evidências empíricas em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n.1, p. 109-124, jan.-mar. 2003. DOI: 10.1590/S1415-65552003000100006.

HO-FUNG, H. O braço direito dos Estados Unidos? O dilema da República Popular da China na crise global. Novos Estudos CEBRAP, n. 89, p. 17-37, março de 2011. DOI: 10.1590/S0101-33002011000100002.

HOLLAND, M. Inserção comercial do Brasil na América do Sul: um estudo sobre os efeitos da China na região. Textos para Discussão da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas, v. 248, 2010.

HYE, Q. Exports, imports and economic growth in China: an ARDL analysis. Journal of Chinese Economic and Foreign Trade Studies, v. 5, n. 1, p. 42-55, 2012. DOI: 10.1108/17544401211197959.

JOHNSON, P.; BUEHRING, A.; CASSELL, C.; SYMON, G. Defining qualitative management research: an empirical investigation. Qualitative Research in Organizations and Management, v. 2, n. 1, p. 23-42, 2007. DOI: 10.1108/17465640710749108.

KÜHLMANN, T.; HUTCHINGS, K. Expatriate assignments vs. localization of management in China: staffing choices of Australian and German companies. Career Development International, v. 15, n. 1, p. 20-38, 2010. DOI: 10.1108/13620431011020871.

LIMA Jr, A. Determinantes do investimento direto estrangeiro no Brasil. Dissertação de Mestrado em Economia apresentada ao Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais. Orientador: Frederico Gonzaga Jayme Júnior. Belo Horizonte, 2005.

LOPES, F.; BATISTA, F. Grupo chinês adquire 7,5% da CCAB Agro. Valor Econômico. 08 de dezembro de 2011. Disponível em: Acesso em: 08 de fevereiro de 2012.

LI-YING, J.; STUCCHI, T.; VISHOLM, A.; JANSEN, J. Chinese multinationals in Denmark: testing the eclectic framework and internalization theory. Multinational Business Review, v. 21, n. 1, p. 65-86, 2013. DOI: 10.1108/15253831311309492.

LIU, H.; ROSS, L. Managing strategic planning paradigms in China. Marketing Intelligence & Planning, v. 24, n. 5, p. 432-445, 2006. DOI: 10.1108/02634500610682845.

MORTATTI, C.; MIRANDA, S.; BACCHI, M. Determinantes do comércio Brasil-China de commodities e produtos industriais: uma aplicação VECM. Economia Aplicada, v. 15, n. 2, p. 311-335, 2011. DOI: 10.1590/S1413-80502011000200007.

MOREIRA, M. O desafio chinês e a indústria da América Latina. Novos Estudos CEBRAP, n. 72, p. 21-38, julho de 2005. DOI: 10.1590/S0101-33002005000200002.

NONNEMBERG, M. China: estabilidade e crescimento econômico. Revista de Economia Política, v. 30, n.2, p. 201-218, 2010. DOI: 10.1590/S0101-31572010000200002.

OLIVEIRA, H. As perspectivas de cooperação Sul-Sul no relacionamento Brasil-China Nueva Sociedad, n. 203, p. 1-15, 2006.

________. Brasil e China: uma nova aliança não escrita? Revista Brasileira de Política Internacional, v. 53, n.2, p. 88-106, 2010. DOI: 10.1590/S0034-73292010000200005.

________; MASIERO, G. Estudos Asiáticos no Brasil: contexto e desafios. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 48, n. 2, p. 5-28, 2005. DOI: 10.1590/S0034-73292005000200001.

OLMOS, M. China quer investir mais em energia e agricultura. Valor Econômico. 19 de julho de 2011. Disponível em: . Acesso em: 24 de fevereiro de 2012.

PARK, J. China, business and sustainability: understanding the strategic convergence. Management Research News, v. 31, n. 12, 2008. DOI: 10.1108/01409170810920657.

PADILHA, M.; LIMA, J. China: análise da inserção competitiva de um modelo socialista associado a mecanismos de mercado. Análise Econômica, v. 25, n. 47, p. 211-247, 2007.

PARK, J. China, business and sustainability: understanding the strategic convergence. Management Reseach News, v. 31, n. 12, p. 951-958, 2008. DOI: 10.1108/01409170810920657.

PATTON, M. Qualitative evaluation and research methods. 2. ed. London: Sage Publications, 1990.

PEDROSO, R. Investimento chinês muda de foco no Brasil e mira manufaturas. Valor Econômico, 10 de novembro de 2011. Disponível em: . Acesso em: 10 de março de 2012.

PIMENTEL, J. Empresas brasileiras na China: estratégia e gestão. Dissertação de Mestrado em Administração apresentada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Orientador: Jacques Marcovitch. São Paulo, 2009.

ROCHA, A. O constructo da distância psicológica: componentes, mediadores e assimetria. In: HEMAIS, C. O desafio do mercado externo: teoria e prática na internacionalização da firma. Rio de Janeiro: Mauad, 2004. p. 40-80.

RODRIGUES, S. Negociações para alianças estratégicas: o ingresso de empresas brasileiras no mercado chinês. Revista de Administração, v. 31, n. 3, p. 28-37, jul.-set. 1996.

RODRIK, D. Growth after the crisis. American Economic Review: Papers & Review, v. 100, n. 2, p. 89-93, 2010. DOI: 10.1257/aer.98.1.439.

ROLL, M. China branding: opportunities and challenges. Business Strategy Series, v. 9, n. 5, p. 231-237, 2008. DOI: 10.1108/17515630810906738.

SÁ, C. Fatores que influenciam as estratégias empresariais de investimento externo direto em países emergentes no segmento de geração de energia elétrica. Tese de Doutorado em Administração apresentada à Escola de Administração de Empresas da Fundação Getulio Vargas. Orientador: Flávio Carvalho de Vasconcelos. São Paulo, 2011.

SAMPIERI, R.; COLLADO, C.; LUCIO, P. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SARTI, F.; LAPLANE, M. O investimento direto estrangeiro e a internacionalização da economia brasileira nos anos 1990. Economia e Sociedade, v. 11, n. 1, p. 63-94, 2002. DOI: 10.1590/S0104-06182012000200003.

SCHIAVINI, J.; SCHERER, F.; MOURA, G.; MINELLO, I. Os desafios do processo de expatriação no cenário sino-brasileiro: o caso da WEG S.A. na China. Internext – Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM, v. 6, n. 2, p. 22-47, jul.-dez. 2011.

SCHNORR, L.; SCHNORR, A. Ni hao ma? Uma tentativa de compreensão, por olhos ocidentais, de elementos da cultura organizacional: caso de empresas calçadistas na China. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃOE PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 31, 2007. Anais... Anpad: Rio de Janeiro, 2007

SHENG, H. Modelos de financiamento baseados em relações pessoais: experiência de empreendedores chineses no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, v. 12, n. 3, p. 741-771, 2008. DOI: 10.1590/S1415-65552008000300007.

SHI, X.; WRIGHT, P. Developing and validating an international business negotiator’s profile: the China context. Journal of Managerial Psychology, v. 16, n. 5, p. 364-389, 2001. DOI: 10.1108/EUM0000000005523.

SILVA, E, A; SOARES, A. Investimentos Chineses no Brasil: Uma nova fase da relação Brasil-China. Relatório de Pesquisa do Conselho Empresarial Brasil China, 2011.

SMITH, C. Predicting the political environment of international business. Long Range Planning, v. 4, n. 1, p. 7-44, sept. 1971.

SOARES, A. Um estudo exploratório sobre o investimento direto das empresas chinesas no Brasil. Relatório de pesquisa. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ, setembro de 2011.

SOUZA, L. Investimento externo direto chinês no Mercosul, Boletim Meridiano, v. 12, n. 125, p. 32-39, 2011.

STORY, J. China, a corrida para o mercado. São Paulo: Futura. 2004.

SUKUP, V. A China frente à globalização: desafios e oportunidades. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 45, n. 2, p. 82-113, 2002. DOI: 10.1590/S0034-73292002000200005.

VERGARA, S. Métodos de coleta de dados no campo. São Paulo: Atlas, 2009.

WEI, Z. The literature on Chinese Outward FDI. Multinational Business Review, v. 18, n. 3, p. 73-112, 2010. DOI: 10.1108/1525383X201000016.

WELCH, C.; PIEKKARI, R.; PENTTINEN, H.; TAHVANAINEN, M. Corporate elites as informants in qualitative international business research, International Business Review, v. 11, p. 611-628, 2002. DOI: 10.1016/s0969-5931(02)00039-2.

WESTGARD, A. Desembarque chinês: em nova investida da China no Brasil, estatal compra fatia em campo petrolífero por US$ 3 bi. O Globo, 22 de maio de 2010.

WILSON, J.; BRENNAN, R. Doing business in China: is the importance of guanxi diminishing? European Business Review, v. 22, n. 6, 652-665, 2010. DOI: 10.1108/09555341011082934.

ZHANG, Z. Quality management approach in China. The Top Quality Management Magazine, v. 12, n. 2, p. 92-104, 2000. DOI: 10.1108/09544780010318343.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.821-21

Article Metrics

Metrics Loading ...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext



INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório:


Desenvolvido por:

Logomarca da Lepidus Tecnologia