A influência do Soft Power na Internacionalização dos Produtos Culturais Brasileiros: Uma Proposta de Framework

Alexandre Rabêlo Neto Neto, José Milton de Sousa Filho

Resumo


A cultura tornou-se um dos setores de mais rápido crescimento nas economias pós-industriais. Conhecer o seu funcionamento, além de ampliar o seu desempenho como um fator de ingresso para a economia, nos permitirá agregar a melhoria de condições de vida como parte da mesma estratégia, favorecendo a criação endógena, melhor organização do processo produtivo e acesso aos bens culturais. Internacionalizar significa considerar diferentes níveis de relacionamento e de realização de negócios, desde a compra e venda de produtos e serviços (comércio exterior) até o investimento em ativos em outros países (investimento direto e investimento de carteira). Desse modo, pode-se incluir nessa discussão o soft power (poder brando) com a finalidade de proporcionar ao país uma possível estratégia de internacionalização, no que se refere aos produtos culturais. O objetivo principal do estudo é analisar a influência do soft power como variável moderadora na internacionalização de produtos culturais brasileiros. Percebe-se que o desenvolvimento de modelos explicativos sobre a internacionalização dos produtos culturais brasileiros é pouco explorado. Portanto, a proposta de framework aqui apresentada, relaciona as variáveis “made in”, preferência e internacionalização do produto cultural brasileiro, tendo como variável moderadora o soft power, objetivando oportunizar novas discussões sobre o assunto, além de possibilitar sua aplicação para futuros estudos.


Palavras-chave


Produto cultural; Soft power; Internacionalização

Referências


AJZEN, I.; FISHBEIN, M. (1975) Understanding attitudes and predicting social behaviour. New Jersey: Prentice-Hall.

ALVESSON, M. (1991) Organizational Simbolism and Ideology. Journal of Management Studies, 28 (3), p. 207-225. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1991.tb00945.x

AMPHILO, M. I. (2012) Folkcomunicação e as Teorias Sociais. RAZÓN Y PALABRA Revista Electrónica en América Latina Especializada en Comunicación. 80, 1-23.

ANHOLT, S. (2003) Brand New Justice: The Upside of Global Branding, Oxford: Butterworth-Heinemann.

AYROSA, E. (2000) Some notes on the development of research on country-of-origin effects. Arché Internacional, Rio de Janeiro, ano IX (26).

ARNOLD, D. (2003) Libertarian Theories of the Corporation and Global Capitalism. Journal of Business Ethics, 43 (2), p.155-173.

BAIARDI, A. (1996) Revista Baiana de Tecnologia – TECBAHIA. Ciência, Tecnologia e a Rediscussão da Questão Regional. Camaçari. 11 (1).

BECKER, I. A. (2003) Captação de Recursos: Planejamento, Prática e Resultados. Um estudo em Museus do Brasil. (Tese de Doutorado) – Fundação Getúlio Vargas – EAESP. BRA.

BENHAMOU, F. (2007) A economia da cultura. Trad. Geraldo Gérson de Souza. São Paulo: Ateliê Editorial.

BIRD, A. & STEVENS, M. (2003) Toward an Emergent Global Culture and the Effects of Globalization on Obsolescing National Cultures. Journal of International Management. 9(4), p.395-407. DOI:10.1016/j.intman.2003.08.003

BOURDIEU, P. (1984) La Distinction. London, England: Routledge.

BOURDIEU, P. (1983) Gostos de classe e estilos de vida. In ORTIZ, R. (org). Pierre Bourdieu: Sociologia. pag. 82-121. São Paulo: Ática.

BRADLEY, F. (1995) International Marketing Strategy, 2ª ed. London: Prentice-Hall.

CAMPBELL, L. (2007) Community Culture, Local Economic Development and Regional Branding in Ontario, Canada, Regions Magazine, 268(1),17-18. DOI:10.1080/13673882.2007.8628827

CIRESE. M. (1979) Cultura hegemónica y culturas subalternas. Traducción y organización de Dr. Manuel Velázquez Mejía, México: Universidad Autónoma Del Estado de México.

CUNHA, G. (2011) Artesanato: questões da comercialização. Portugal: CEARTE.

DEMASI, D. (2003) Criatividade e Grupos Criativos. Rio de Janeiro: Sextante.

DIAS, Á. L. (2005) Princípios de marketing internacional - Campeões portugueses no estrangeiro. Lisboa: Lidel - Edições Técnicas.

DINIZ, S. (2009) Análise do consumo de bens e serviços artístico-culturais no Brasil metropolitano. (Dissertação de Mestrado) – Universidade Federal de Minas Gerais-UFMG, BRA.

DOSI, G. SOETE, L. (1990) Technical change and international trade. In Dosi, G. et al. Technical change end economic theory. London: Pinter Publishers.

FERREIRA. M. A. F. S. (2014) Definições conceituais para o entendimento da política externa dos Estados Unidos: as noções de poder duro (hard power) e poder brando (soft power). Disponível em: http://www.santiagodantassp.locaweb.com.br/br/arquivos/nucleos/artigos/Marco s.pdf Acesso em. 23 de maio de 2014.

GER, G. (1999) Localizing in the global village: local firms competing in global markets. Califórnia Management Review, v. 41(4), p. 64-83. DOI: 10.2307/41166010

HERMANS, H. J. M; KEMPEN, H. J. G. (1998) Moving cultures: The perilous problems of cultural dichotomies in a globalizing society. American Psychologist, 53(10), p. 1111-1120. DOI: http://dx.doi.org/10.1037/0003-066X.53.10.1111

HERSKOVITS, M. J. (1955) Cultural Anthropology: An Abridged Revision of Man and His Works. New York, Alfred A. Knopf, Inc. xvi, xxxiv + 569 pp.

HIRATA, T. (2012) Mangá: Do Japão Ao Mundo Pela Prática Midiática Do Scanlation. (Dissertação de Mestrado) Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT, BRA.

JOHANSON, J.; MATTSSON, L.G. (1998) Internationalization in industrial systems - a network approach. In N. Hood & J-E. Vahlne (eds). Strategies in Global Competition. New York: Croom Helm. DOI: 10.1057/9781137508829_5

HOWKINS, J. (2007) The Creative Economy – How People Make Money from Ideas. Londres: Penguin Books.

IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (2006). Pesquisa de Informações Básicas Municipais – Cultura. Disponível em: Acesso em: 10 junho. 2014.

KOGUT, B. & SINGH, H. (1988) The effect of national culture on the choice of entry mode. Journal of International Business Studies, 19 (3), p. 411.

KOTLER, P; GERTNER, D. (2002) Country as Brand, Product and Beyond: A Place Marketing and Brand Management Perspective. Brand Management, 9 (4-5). Disponível em: http://www.ingentaconnect.com/content/pal/bm/2002/00000009/F0020004/art00003. Acesso em. 19/06/2014. DOI: http://dx.doi.org/10.1057/palgrave.bm.2540076

KOTLER, P. (2000) Administração de Marketing: a edição do novo milênio. 10. ed. São Paulo: Prentice Hall.

LA BARRE, J. (2010) Música, cidade, etnicidade: explorando cenas musicais em Lisboa. In CORTE-REAL. Maria de São José (org). Revista Migrações – Número Temático Música e Migração, n.07, Lisboa. ACIDI, Outubro,. p.147-166.

LEVCHENKO, A. (2004) Institutional Quality and International Trade. IMF Working Paper, DOI: 10.1111/j.1467-937X.2007.00435.x

LÉVY-GARBONA, L. & MONTMARQUETTE, C. (1995) Comportament dês ménages: me étude économetrique de la demande de théátre sur données in dividuelles. Économie et Prevision. nº 121.

MANSO, J. R. P. (2014) A Economia da Cultura: Vetor Estratégico de Desenvolvimento para Portugal. Revista Online do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior. Disponível em: http://www.ubimuseum.ubi.pt/n02/docs/ubimuseum02/ubimuseum02.jose-pires-manso-economia-cultura.pdf. Acesso em. 19/06/2014.

MARIOTTO, F. L. (2007) Estratégia internacional da empresa. São Paulo: Thomson Learning.

MENDONÇA, J. R. & AMANTINO-DE-ANDRADE, J. (2003) Gerenciamento de Impressões: Em Busca de Legitimidade Organizacional. Revista de Administração de Empresas, 43 (1), p. 36-48. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-75902003000100005

MINC - MINISTÉRIO DA CULTURA - Diretrizes do Minc para 2012. Disponível em. http://www.cultura.gov.br/documents/10883/12979/APRESENTACAO_programas-prioritarios-2012-site.pdf/7ddc9d80-6537-4284-a171-104da2edc2b4. Acesso em. 23/06/2014.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B. & LAMPEL, J. (2000) Safari de Estratégia. Porto Alegre: Bookman.

MOSSBERG, L., E KLEPPE, I. (2005) Country and Destination Image: Different or Similar Image Concepts?. The Service Industries Journal, 25 (4), p. 493-503. DOI:10.1080/02642060500092147

CALCAGNO, N. CENTENO, E. E. C. (2008) Nosotros y los otros: comercio exterior de bienes culturales en América del Sur / Natalia Calcagno y Emma Elinor Cesín Centeno. - 1a ed., p. 152, Buenos Aires: Secretaría de Cultura de la Presidencia de la Nación.

NUNN, N. (2007) Relationship-Specificity, Incomplete Contracts, and the Pattern of Trade. The Quarterly Journal of Economics, 122 (2) p. 569-600.

NYE Jr, J. S. (2011) The Future of Power. p. 28. New York: Public Affairs.

NYE Jr, J. S. (2004) Soft Power. 191 p. New York: Public Affairs. DOI: 10.2307/1148580

PHAU, I. E. & PRENDERGAST, G. (2000) Conceptualizing the Country of Origin of Brand. Journal of Marketing Communications, 6(3), p. 159-170. DOI:10.1080/13527260050118658

PIETERSE, J. N. (2009) Globalization and culture: Global mélange. 2. ed. Lanham: Rowman & Littlefield.

PINTO, G. B. S. & AFONSO, M. F. A. L. O (2013) Mapeamento das Indústrias Criativas no Brasil. Revista de Design, Inovação e Gestão Estratégica – REDIGE. 4 (Edição Especial).

RAINISTO, S. (Inverno de 2007), “Success Factors of Place Branding” em Revista City and Regional Branding, nº 268, Seaford, Regional Studies Association. DOI:10.1080/13673882.2007.8628829

UNESCO - RELATÓRIO MUNDIAL DA ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (2009) Investir na diversidade cultural e no diálogo intercultural. 40 p.

SAMPAIO, H. (2003) A experiência do artesanato solidário. In. Políticas culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para a cultura. p. 236, Brasília: UNESCO Brasil.

SISTEMA FIRJAN (2008) A Cadeia da Indústria Criativa no Brasil.

______________ (2011) Nota Técnica .A Cadeia da Indústria Criativa no Brasil.

SICSUR - SISTEMA DE INFORMACIÓN CULTURAL DEL MERCOSUR – ENCLAVE CULTURAL (2011) 1 (1).

SPOLAORE, E. & ROMAIN, W. (2013) How Deep Are the Roots of Economic Development? Journal of Economic Literature, 51(2), p. 325-369. (DOI): 10.3386/w18130

REINO UNIDO (2011) DCMS - Creative Industries Economic Estimates – Full Statistical Release. Londres.

ROWE, W. & SCHELLING, V. (1991) Memory and Modernity: Popular culture in latin America. London: Verso.

STRUYE, T. (2009) Offensive Chinoise en Afrique. Notes d’analyse de la Chaire Inbev Baillet - Latour, Université Catholique de Louvain, 3, april.

TEIXEIRA, S. & DIZ, H. (2005) Estratégias de internacionalização. Lisboa: Publisher Team.

TREMBLAY, M. (2014) L’émergence du soft power chinois. Plateforme Québécoise de Journalisme Citoyen,2007. Disponível em: .Acesso. 30 de maio. 2014.

VERNON, R. (1979) La inversion internacional y el comercio internacional em el ciclo de productos. In Rosenberg, N. Economia Del cambio tecnológico. México: Fondo de Cultura Econômica.

VIANA, C. S. S. (2010) Investimentos Diretos Brasileiros no Exterior em Cenário de Risco Político: Evolução Recente e Impactos na Política Externa. (Dissertação de Mestrado) – Instituto Rio Branco, BRA.

ZISMANN, T. & GEISLER, L. (2013) Argo: Uma aventura ocidental em terras orientais. Século XXI. 4 (1), p. 89-104.

WERTTHEIN, J. (2003) Políticas culturais para o desenvolvimento: uma base de dados para a cultura. p. 13, Brasília: UNESCO Brasil.




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.11137-48