A cultura Chinesa nos negócios na percepção de Brasileiros Expatriados

Laura Alves Scherer, Italo Fernando Minello

Resumo


O objetivo deste artigo consiste em analisar a cultura chinesa relacionada aos negócios na percepção de brasileiros expatriados na China. Para este propósito, abordou-se sobre a literatura referente ao expatriado e às diferenças culturais entre Brasil e China. Como método de estudo, trata-se de uma abordagem qualitativa em que foram realizadas entrevistas semiestruturadas com doze profissionais brasileiros expatriados na China. Para a análise dos dados foi utilizada a técnica de análise de conteúdo, especificamente a análise categorial, sendo as categorias: guanxi, comportamento cultural padrão, especialização de função, salvar a face, e respeito à hierarquia. Como resultados, evidencia-se a dificuldade de compreensão do comportamento padrão dos chineses nas suas atividades profissionais por parte dos expatriados, como: os laços de relacionamento e confiança que os chineses priorizam ao fazer um negócio, denominados guanxi; a característica de o chinês executar somente a sua função de trabalho, ser um especialista; o fato de não conseguir responder ao seu chefe de uma forma direta, por vergonha ou constrangimento, que denomina-se “salvar a face”; e a hierarquia bastante respeitada pelos chineses.


Palavras-chave


Expatriados; Cultura; China; Guanxi; Salvar a face

Texto completo:

Português PDF PDF (English)

Referências


BARDIN,L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BORGES DE FREITAS,A. Traços brasileiros para análise organizacional. In: MOTTA,F.C.P.; CALDAS,M.P. Cultura organizacional e cultura brasileira. 1ª Ed., 8ª Reimp., p.38-54. São Paulo: Atlas, 2009.

CALIGIURI,P.M. Selecting expatriates for personality characteristics: a moderating effect of personality on the relationship between host national contact and cross-cultural adjustment. Management International Review, v. 40, n. 1, p. 61-80, 2000.

CÂMARA BRASIL CHINA. São Paulo,SP, 2012. Disponível em: http://www.ccibc.com.br/a-china/economia. Acesso em: 10/11/12.

CERDIN, J-L. L’expatriation. Paris: Éditions d’Organisation, 2002.

CHUNG,T. Negócios com a China: desvendando os segredos da cultura e estratégias da mente chinesa. Osasco,São Paulo: Novo Século, 2005.

EDSTRÖM,A.; GALBRAITH,J.R. Transfer of managers as a coordination and control strategy in multinational organizations. Administrative Science Quarterly, v. 22, n. 2, p. 248–263, 1977. DOI: 10.2307/2391959

ERIKSSON,P.; KOVALAINEN,A. Qualitative Methods in Business Research. London: Sage Publications, 2008.

FRACAROLI,F.; BANDEIRA DE MELO,S.A.; GUEVARA,A.J.H.; A study on the relevance of Guanxi culture for Latin American companies doing business with China. Revista de Negócios, Blumenau, v. 17, n. 3, p. 54–79, 2012. DOI:10.7867/1980-431.2012v17n3p54- 79

FREITAS,M.E. Cultura Organizacional: evolução e crítica. Coordenador-assistente MASCARENHAS,A.O. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

FREITAS,M.E. Multiculturalismo e expatriação nas organizações: vida do executivo expatriado, a festa vestida de riso ou de Choro. In: DAVEL,E.; VERGARA,S.C.(Org.). Gestão com pessoas e subjetividade. 4ªEd., p.261-274, São Paulo: Atlas, 2010.

FROESE,F.J.; PELTOKORPI,V. Cultural distance and expatriate job satisfaction. International Journal of Intercultural Relations, v. 35, n. 1, p. 49-60, 2011. DOI:10.1016/j.ijintrel.2010.10.002

GERVASONI,V.C.; KUBO,E.K.M.; FARINA,M.C. Distância psíquica no processo de internacionalização: a percepção dos expatriados brasileiros. Internext, São Paulo, v.9, n.3, p.57-77, 2014. DOI:http://dx.doi.org/10.18568/1980-48659357-772014.

GLESNE,C. Becoming qualitative researchers: an introduction. 2ªEd. New York: Longman, 1999.

GRINSTEIN,A.; WATHIEU,L. Cosmopolitanism, Assignment Duration, and Expatriate Adjustment: TheTrade-Off between Well-Being and Performance. In: EUROPEAN SCHOOL OF MANAGEMENT AND TECHNOLOGY WORKING PAPER. Anais... ESMT, n.08-011, 2008. DOI: http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1353128

HOFSTEDE,G. Culturas e Organizações: compreender a nossa programação mental. Lisboa: Edições Silabo, 1991.

HOFSTEDE,G. Cultures and Organizations: software of the mind. Nova York, 1997.

JOLY, A. Alteridade: ser executivo no exterior. In: CHANLAT, J-F.; TORRES, O. L. O indivíduo na organização: dimensões esquecidas, v.1,. 3ª ed. 12ª Reimp. São Paulo: Atlas, 2010.

MACHADO,H.V.; HERNANDES, C.A. Alteridade, expatriação e trabalho: implicações para a gestão organizacional. Revista de Administração Contemporânea, v.8, n.3, p.53-73, 2004. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1415-65552004000300004

MALEK,M.A.; BUDHWAR,P. Cultural intelligence as a predictor of expatriate adjustment and performance in Malaysia. Journal of World Business, v.48, n.2, p.222–231, 2013. DOI: 10.1016/j.jwb.2012.07.006

MORGAN,G. Imagens da organização. São Paulo: Atlas, 1996.

MOTTA,F.C.P. Cultura e organizações no Brasil. In: MOTTA,F.C.P.; CALDAS,M.P. Cultura organizacional e cultura brasileira. 1ªEd. 8ªReimp. p.25-37. São Paulo: Atlas, 2009.

MOTTA,F.C.P.; CALDAS,M.P. Cultura organizacional e cultura brasileira (Introdução). In: MOTTA,F.C.P.; CALDAS,M.P. Cultura organizacional e cultura brasileira. 1ª ed., 8ª Reimp., p.15-21. São Paulo: Atlas, 2009.

MOTTA,F.C.P.; ALCADIPANI,R.; BRESLER,R. Cultura brasileira, estrangeirismo e segregação nas organizações. In: DAVEL,E. VERGARA,S.C. Gestão com pessoas e subjetividade. 4ª ed., p.237-257. São Paulo: Atlas, 2010.

MURITIBA,P.M., ALBUQUERQUE,L.G. Características da gestão estratégica de pessoas para as organizações internacionalizadas. In: ALBUQUERQUE, L.G., LEITE, N.P.(Org.). Gestão de pessoas: perspectivas estratégicas. São Paulo: Atlas, p.154-163, 2009.

NITSCH,M.; DIEBEL,F. Guanxi economics: Confucius meets Lenin, Keynes, and Schumpeter in contemporary China. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v.41, n.5, p.959-92, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-76122007000500008

NUNES,L.H.; VASCONCELOS,I.F.G.; JAUSSAUD,J. Expatriação de Executivos. São Paulo: Thomson Learning, 2008.

ORSI,A. Gestão internacional de pessoas: políticas de recompensas para expatriados por empresas brasileiras. 2010. 185f. Tese (Doutorado em Administração)-Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

REDDING,S.G.; MARTYN-JOHNES,T.A. Paradigm Differences and their relation to management functions, with reference to southeast Asia. In: NEGANDHI,A.R.; WILPERT,B. (Ed.). Organizational Functioning in a Cross-Cultural Perspective. Kent, Ohio: Kent State University Press, 1979.

RICHARDSON,R.J. Pesquisa Social: métodos e técnicas. 3ªEd. São Paulo: Atlas, 2011.

ROBBINS,S.P. Fundamentos do comportamento organizacional. 8ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2009.

ROCHA,A. Por que as empresas brasileiras não se internacionalizam? In: ROCHA, A.(Org.). As novas fronteiras: a multinacionalização das empresas brasileiras. Rio de Janeiro: Editora Mauad, 2003.

SAMPIERI,R.H.; COLLADO,C.F.; LUCIO,P.B. Metodologia da Pesquisa. São Paulo: Mc Graw-Hill Interamericana Brasil Ltda, 2006.

SARFATI,G. Gestão Multicultural. GV Executivo, São Paulo: Fundação Getúlio Vargas, v.10, n.2, p.36-39, 2011.

SCHEIN, E.H. Cultura Organizacional e Liderança. São Paulo: Atlas, 2009.

SELMER,J. Cross-cultural training and expatriate adjustment in China: Western joint venture managers. Personnel Review, v.34, n.1, p.68–84, 2005.

SELMER,J.; LAURING,J.; FENG,Y. Age and expatriate job performance in Greater China. Cross Cultural Management: An International Journal, v.16, n.2, p.131–148, 2009. DOI: 10.1108/00483480510571888

SMITH,P.B.; HUANG,H.J.; HARB,C.; TORRES,C. How Distinctive Are Indigenous Ways of Achieving Influence? A Comparative Study of Guanxi, Wasta, Jeitinho, and “Pulling Strings”. Journal of Cross-Cultural Psychology, v.43, n.1, p.135–150, 2011. DOI: 10.1177/0022022110381430

TAKEUCHI,R.; YUN,S.; TESLUK,P. E. An examination of crossover and spillover effects of spousal and expatriate cross-cultural adjustment on expatriate outcomes. Journal of Applied Psychology, v.87, n.4, p.655–666, 2002. DOI: http://dx.doi.org/10.1037/0021-9010.87.4.655

TROMPENAARS,F. Nas ondas da cultura: como entender a diversidade cultural nos negócios.

São Paulo: Educator, 1994.

TUNG,R.L. Americans expatriates abroad: from neophytes to cosmopolitans. Journal of World Business, v.33, n.2, p.125-144, 1998. DOI:10.1016/S1090-9516(98)90002-5

VAN ERP,K. J.P.M.; GIEBELS,E.; VAN DER ZEE,K.I.; VAN DUIJN,M.A.J. Let it be: expatriate couples' adjustment and the upside of avoiding conflicts. Anxiety, Stress & Coping: An International Journal, v.24, n.5, p.539-560, 2011. DOI: 10.1080/10615806.2011.571768




DOI: https://doi.org/10.18568/1980-4865.10331-43

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2015 Internext - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais da ESPM



INTERNEXT (e-ISSN: 1980-4865)

ESPM | Escola Superior de Propaganda e Marketing 

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição 3.0 Não Adaptada.


Rua: Dr. Álvaro Alvim, 123 - Vila Mariana - São Paulo - SP - Cep: 04018-010 - e-mail: internext@espm.br

Indexadores e Diretório: