Distância psíquica no processo de internacionalização: a percepção dos expatriados brasileiros

Vinicius Chunques Gervasoni, Edson Keyso de Miranda Kubo, Milton Carlos Farina

Resumo


O objetivo foi identificar a percepção do expatriado brasileiro à medida que a distância psíquica entre países gera desafios no processo de expatriação em empresas internacionalizadas. Apesar de o conceito de distância psíquica estar sendo explorado na literatura para a análise dos processos de internacionalização de empresas, recentemente é que pesquisadores começaram a analisar a sua influência sobre os processos de expatriação. Para este fim, foi feita uma revisão dos estudos de distância psíquica e internacionalização de empresas, bem como dos processos de expatriação, que são diretamente influenciados pelo desafio da distância psíquica. Por meio de 24 entrevistas puderam-se identificar as percepções dos expatriados brasileiros acerca da distância psíquica, que corroboraram com embasamentos teóricos. Estes resultados podem ser úteis a pesquisadores do tema, porque identifica as percepções compartilhadas pelos indivíduos pertencentes a uma mesma cultura, que representam as formas pelas quais os indivíduos de uma cultura percebem os de outra.


Palavras-chave


distância psíquica; expatriação; internacionalização; cultura

Texto completo:

PDF English / (English) PDF

Referências


ANDERSEN, O. On the internationalization process of firms: A critical analysis. Journal of International Business Studies, v. 24, n. 2, p. 209–232, 1993. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490230

ANDERSSON, U.; JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. Organic Acquisitions in the Internationalization Process of the Business Firm. Management International Review, v. 37, n. 2, p. 67-84, 1997.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições, 1977.

BARNEY, J. B. Gaining and Sustaining Competitive Advantage. New Jersey: Prentice-Hall, 2011.

BARNEY, J. B. Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, v.17, n. 1, p. 99-120, 1991. DOI 10.1177/014920639101700108

BARTLETT. C. A.; GHOSHAL, S. Gerenciando Empresas no Exterior – a solução transnacional. São Paulo: Makron Books, 1992.

BECKERMAN, W. Distance and the pattern of intra-European trade. The Review of Economics and Statistics, v. 28, n. 1, p. 31-40, 1956.

BLACK, J. S.; MENDENHALL, M. E.; ODDOU, G. R. Toward a Comprehensive Model of International Adjustment: An Integration of Multiple Theoretical Perspectives. Academy of Management Review, v. 16, n. 2, p. 291–317, 1991.

BORINI, F.; POLIZELLI, D. L; PRADO, K. R. L. A.; MELO, P. L. R. Late movers: “basta imitar”? In: Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Anais... Resende: AEDB, 2006.

BUCKLEY, P.; CASSON, M. Analyzing foreign market entry strategies: extending the internalization approach. Journal of International Business Studies. Basingstoke, v. 29, n. 3, p. 539-561, 1998. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490006

CAVUSGIL, S. T. Organizational characteristics associated with export activity. Journal of Management Studies, v. 21, n. 1, p. 3-22, 1984. DOI: 10.1111/j.1467-6486.1984.tb00222.x

CHILD, J.; N. G, S. H.; WONG, C. Psychic distance and internationalization: evidence from Hong Kong firms. International Studies of Management & Organizations, v. 32, n. 1, p. 35-56, 2002.

CHILD, J.; RODRIGUES, S.; FRYNAS, J. G. Reviving and Extending the Multi – dimensional Concept of Psychic Distance: evidence from Smaller Firms Exporting to Brazil. In: AIB Annual Conference, Anais. Beijing: AIB, 2006.

CHURCH, A. T. Sojourner Adjustment. Psychological Bulletin, v. 91, n. 3, p. 540-572, 1982.

DELLAGNELO, E; SILVA, R. Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (Org) Pesquisa qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

DIB, L. A.; CARNEIRO, J. Avaliação Comparativa do Escopo Descritivo e Explanatório dos Principais Modelos de Internacionalização de Empresas. In: XXX Encontro Anual da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Anais. Salvador: ANPAD, 2006.

DIELEMAN, M.; SACHS, W. Oscillating between a relationship-based and a market-based model: the salim group. Asia Pacific Journal of Management, v. 23, n. 4, p. 521–536, 2006. DOI 10.1007/s10490-006-9019-y

DUNNING, J. H. The eclectic paradigm of international production: a restatment and some possible extensions. Journal of International Business Studies, v. 19. n. 1, p. 1-31, 1988. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490372

EVANS, J.; TREADGOLD, A.; MAVONDO, F. T. Psychic distance and the performance of international retailers – a suggested theoretical framework. International Marketing Review, v. 17, n. 4, p. 373-391, 2000. DOI 10.1108/02651330010339905

FLETCHER, R.; BOHN, R. The impact of psychic distance on the internationalisation of the Australian firm. Journal of Global Marketing, v. 12, n. 2, p. 47-68, 1998. DOI 10.1300/J042v12n02_04

FLEURY, M. T. L. O desvendar a cultura de uma organização: uma discussão metodológica. In: FLEURY, Maria Tereza Leme; FISCHER, Rosa Maria (Org) Cultura e poder nas organizações. 2. ed. São Paulo, Atlas, 2007

FORD, D. B. Buyer Seller relationships in international industrial markets. Industrial Marketing Management, v. 13, n. 2, p. 101-13, 1984. DOI 10.1016/0019-8501(84)90041-5

FREITAS, M. E. Como vivem os executivos expatriados e suas famílias? 2000. 117 f. São Paulo. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas) – EAESP, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2000.

FRIEDMAN, P.; DYKE, L. S.; MURPHY, S. A. Expatriate adjustment from the inside out: an autoethnographic account. The International Journal of Human Resource Management, v. 20, n. 2, p. 252-268, 2009. DOI 10.1080/09585190802670524

GASKELL, G. Entrevistas individuais e grupais. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Org.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELO, R.; SILVA, A. B. da (Org.) Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

HALLÉN, L.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. Psychic distance and buyer-seller interaction. In: BUCKLEY, P. J.; GHAURI, P. (Ed.) The internationalization of the firm. London: Dryden Press. p. 291-302, 1993.

HEMAIS, C. A.; HILAL, A. Teorias, paradigma e tendências em negócios internacionais: de Hymer ao empreendedorismo. In: HEMAIS, C. A. (Org.). O desafio dos mercados externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Rio de Janeiro: Mauad, v. 1, p. 17-39, 2004.

HILAL, A; HEMAIS, C. A. Da escola de Uppsala à escola nórdica de negócios internacionais: uma revisão analítica. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 30, Anais..., Rio de Janeiro: ANPAD, 2001.

HOFSTEDE, G. Culture’s Consequences: comparing values, behaviors, institutions, and organizations across nations. 2. ed. Califórnia: Sage Publications, 2001.

JOHANSON, J.; WIEDERSHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies. v. 12, n. 3, p. 305-322, 1975. DOI 10.1111/j.1467-6486.1975.tb00514.x

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The internationalization process of the firm – a model of knowledge development and increasing foreign market commitments. Journal of International Business Studies, v. 8, n. 1, p. 23-32, 1977. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490676

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The Uppsala internationalization process model revisited: from liability of foreigness to liability of outsidership. Journal of International Business Studies, v. 40, n. 1, p. 1141-1431, 2009. DOI:10.1057/jibs.2009.24

KEEGAN, W. J.; GREEN, M. C. Princípios de marketing global. São Paulo: Saraiva, 1999.

KHAUAJA, D. M. R.; TOLEDO, G. L. O processo de internacionalização de empresas brasileiras: estudo com franqueadoras. InternexT - Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, v. 6, n 1, p. 42-62, 2011.

KILIMNIK, Z. M. Gerência internacional de recursos humanos no contexto da globalização. In: RODRIGUES S. B. (Org.). Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas, 1999. p. 253-273.

KRECH, D.; CRUTCHFIELD, R. Elementos da Psicologia. 4. ed. São Paulo: Pioneira, 1973.

KUBO, E. K. M.; BRAGA, B. M. Ajustamento intercultural de executivos japoneses expatriados no Brasil: um estudo empírico. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 3, p. 243-255, 2013.

LARAIA, R. Cultura um Conceito Antropológico. 9. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor Ltda, 1993.

LIMA, M. B. Políticas e práticas de recursos humanos do processo de repatriação de executivos brasileiros. 2009. 199 f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Escola de Administração de Empresas, Fundação Getúlio Vargas, 2009.

MARIOTTO, F.L. Estratégia Internacional da Empresa. São Paulo: Thomson, 2007.

MELIN, L. Internationalization as a strategy process. Strategic Management Journal, v. 13, n. 1, p. 99-118, 1992. DOI 10.1002/smj.4250130908

MINAYO, C. de S. O desafio da pesquisa social. In: MINAYO, C. de S. (Org.) Pesquisa social: teoria, métodos e criatividade. Petrópolis: Editora Vozes, 2009.

MOTTA, F. C. P.; CALDAS, M. P. Cultura Organizacional e Cultura Brasileira. São Paulo: Atlas, 2006.

O’GRADY, S.; LANE, H. The Psychic Distance Paradox. Journal of International Business Studies. v. 27, n. 2, p. 309–333. 1996. DOI 10.1057/palgrave.jibs.8490137

PENG, M. W. An institution-based view of international business strategy: a focus on emerging economies. Journal of International Business Studies, v. 39, n. 1, p 920-936, 2008. DOI:10.1057/palgrave.jibs.8400377

PENG, M.W. Towards an institution-based view of business strategy. Asia Pacific Journal of Management, v.19, n.2, p 251-267, 2002. DOI 10.1023/A:1016291702714

PENG, M.V.; SUN, S.L.; PINKHAM, B.; CHEN, H. The institution based view as a third leg for a strategy tripod. Academy of Management Perspectives, v. 23, n. 3, p. 63-81, 2009.

PENG, M. W.; ZHOU, J. Q. How network strategies and institutional transitions evolve in Asia. Asia Pacific Journal of Management, v. 22, n. 4, p. 321-336, 2005. DOI 10.1007/s10490-005-4113-0

PLIOPAS, A; DELLAGLI, M. Expatriados no Brasil: a percepção da cultura brasileira por expatriados em comparação à cultura de seus países de origem. 2003. Disponível em: < http://www.fgvsp.br/iberoamerican/papers/0328_expatriados.pdf >. Acesso em: 10 jan. 2012.

PORTER, M. E. Estratégia Competitiva. Rio de Janeiro, Campus, 1986, 419 p.

PUCK, J. F.; KITTLER, M. G.; WRIGHT, C. Does it really work? Re-assessing the impact of pre-departure cross-cultural training on expatriate adjustment. The International Journal of Human Resource Management. v. 19, n. 12, p. 2182-2197, 2008.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

ROCHA, A. O construto da distância psicológica: componentes, mediadores e assimetria em O Desafio dos Mercados externos – teoria e prática na internacionalização da firma. In: HEMAIS, C. A. (Org.). O desafio dos mercados externos: teoria e prática na internacionalização da firma. Rio de Janeiro: Mauad, v. 1, p. 40-80, 2004.

ROSA, P. R.; RODHEN, M. I. S. Internacionalização de uma empresa brasileira: um estudo de caso. Revista Eletrônica de Administração, v. 13, n. 3, p. 684-704, 2007.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership. 3. ed. Jossey-Bass: San Francisco, 2004.

SHARMA, V. M.; ERRAMILLI, M. K. Resource based Explanation of Entry Mode Choice. Journal of Marketing Theory and Practice, v. 12, n. 1, p. 1-18, 2004.

SILVA; M.G.F; ROCHA, A.M.C; FIGUEIREDO, Otávio. Medindo o construto da distância psíquica. Revista E&G Economia e Gestão, v. 7, n. 14, p. 85-103, 2007.

STONER, J. A. F. FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: Prentice Hall, 1995.

TANURE, B.; DUARTE, R. G. Gestão internacional. São Paulo: Saraiva, 2006.

TANURE, B; EVANS, P.; PUCIK, V. A Gestão de Pessoas no Brasil: virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Elsevier: 2007. p. 169-199.

TANURE, B.; BARCELLOS, E. P.; FLEURY, M. T. L. Psychic distance and the challenges of expatriation from Brazil. The International Journal of Human Resource Management, v. 2, n. 5, p. 1039-1055, 2009. DOI 10.1080/09585190902850257

TEIXEIRA, L.A.A.; SILVA, J. T. M.; LESSA, L.C.C. Executivos brasileiros expatriados: percepções da nova função e influência da distância psíquica. REDES, v. 16, n. 1, p. 19-38. 2009.

THOMÉ, K. M.; MACHADO, R. T. M.; VIEIRA, L. M.; CARVALHO, J. M. Internacionalização de Empresas Brasileiras para um país emergente: Evidências na Rede de Negócios Brasil Rússia. BASE-Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, v. 10, n. 2, p. 169-180, Abr./Jun., 2013.

VERNON, R. International Investment and International Trade in the Product Cycle. Quarterly Journal of Economics, v. 80, n. 2, p. 190-207, 1966. DOI 10.1002/tie.5060080409

WHITELOCK, J. Theories of internationalization and their impact on market entry. International Marketing Review, v. 19, n. 4, p. 342-347, 2002. DOI 10.1108/02651330210435654




DOI: http://dx.doi.org/10.18568/1980-4865.9357-77